EVOLUÇÃO DO ÍNDICE DE ÁREA FOLIAR DE CAFEEIRO ARÁBICA SOBDIFERENTES NÍVEIS E FORMAS DE PARCELAMENTOS DE ADUBAÇÃO

Autores

DOI:

10.33912/AGRO.2596-0644.2019.v2.n2.p3-17.id531

Palavras-chave:

CoffeaarabicaL., Fertirrigação, Crescimento.

Resumo

Este estudo teve como objetivo,avaliar ao longo do tempo, o índice de área foliar do cafeeiro arábica, cultivar Catiguá MG-3, sob diferentes níveis e formas de parcelamentos de adubação. O cafeeiro foi plantado em maio de 2007, no espaçamento de 2,5 x 0,6 metros.O delineamento foi em blocos casualizados, com três repetições, utilizando uma adaptação da análise conjunta de experimentos, com o esquema de parcelas divididas. As duas formas de parcelamentos, quatro (Nov, Dez, Jan e Fev) e 12 (mensais) aplicações, foram consideradas como os ambientes, os níveis de adubação (30%, 80%, 130%, 180% e 230% da recomendação de N e K2O para cafeeiros cultivados em sequeiros em Minas Gerais), as parcelas e as épocas de avaliação (realizadas bimestralmente entre os anos de 2010 e 2013) constituíram as subparcelas no tempo. O índice de área foliar não é influenciado pelas formas de parcelamentos (quatro e doze aplicações/ano).Níveis abaixo de 80% da adubação com N e K recomendada para plantas não irrigadas restringe o crescimento do cafeeiro em lavouras irrigadas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Antonio do Vale SantAna, IFMT/Campus Confresa

Engenheiro agrônomo, formado pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Estagiário da Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, atuando na área de Irrigação e Drenagem, com ênfase nos seguintes temas: manejo de irrigação e fertirrigação, banana, mamoeiro (2006 a 2009). Mestre em Recursos Hídricos em Sistemas Agrícolas (2011) e Doutor em Recursos Hídricos em Sistemas Agrícolas (2015) pela Universidade Federal de Lavras, Departamento de Engenharia Agrícola, Linha de Pesquisa Engenharia e Manejo de Irrigação e Drenagem. Professor substituto do Instituto de ciências Agrárias da Universidade Federal de Uberlândia, ministrando a disciplina de Irrigação e Drenagem para os cursos de Agronomia e Engenharia Ambiental (2013 a 2015). Atualmente é Professor do IFMT, Campus Confresa, ministrando aulas nas disciplinas de Fruticultura, Hidráulica, Irrigação e Drenagem, Hidroponia, Secagem e armazenamento de grãos (2016 -Atual). Coordenador de Pesquisa e Pós-graduação do IFMT, Campus Confresa (2017 - Atual).

Alberto Colombo, UFLA

Graduou-se em Engenharia Agronômica pela Universidade de São Paulo (1979), fez especialização em irrigação na Utah State University (1984), Mestrado em Irrigação e Drenagem pela Universidade de São Paulo (1991) e Doutorado em Engenharia de Irrigação na Utah State University (2005). Foi responsável pela área de avaliação de equipamentos de Irrigação do Centro Nacional de Engenharia Agrícola (CENEA- MA) e atuou como secretário e presidente da Comissão de Equipamentos de Irrigação da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Atualmente, é professor da Universidade Federal de Lavras, atuando na área de Engenharia de Água e Solos, com ênfase na avaliação de equipamentos de irrigação e simulações numéricas dos processos associados á engenharia e manejo da irrigação (uniformidade de aplicação de água e fluxo de água no solo).

Myriane Stella Scalco, UFLA

Possui graduação em Agronomia pela Escola Superior de Agricultura e Ciências de Machado (1980), mestrado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal de Lavras (1983) e doutorado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal de Lavras (1997/2000). Iniciou sua carreira profissional como Pesquisadora Adjunta VI no Centro Nacional de Engenharia Agrícola - CENEA, Sorocaba/SP (1986-1992) atuando nas áreas de treinamento, desenvolvimento (pesquisa) em Irrigação e Drenagem, Micro bacias Hidrográficas, Tecnologia de Aplicação. Cursou doutorado como aluna especial em Irrigação e Drenagem na UNESP/Botucatu em 1987, cursando a disciplina de Drenagem Agrícola. Posteriormente a extinção do CENEA atuou como Chefe do Laboratório de análise de Semente (LARV) em Jundiaí/SP de 1992 a 1994 (julho) quando foi redistribuída para a Universidade Federal de Lavras - UFLA no cargo de Engenheira Agrônoma do Setor de Grandes Culturas. De 1994 a 1996 ministrou aulas teóricas e práticas nas cultura de arroz e trigo como voluntária. Ministrou palestras teóricas e práticas como parte de disciplinas de Grandes Culturas irrigadas (milho, trigo, feijão). Atualmente é engenheira agrônoma (pesquisadora) lotada no Setor de Cafeicultura onde desenvolve pesquisas com ou sem financiamento de agências de fomento (Consórcio Pesquisa Café, Fapemig e CNPq), ministra palestras práticas e teóricas em cafeicultura irrigada nas disciplinas de graduação e pós-graduação, atua como editora executiva da Revista Coffee Science e foi responsável pela coordenação das áreas experimentais de de Cafeicultura Irrigada do Setor. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Agricultura Irrigada, atuando principalmente nos seguintes temas: cafeicultura irrigada, irrigação e manejo de irrigação. Orientadora de mestrado e coorientadora de mestrado e doutorado, orientadora de alunos do Programa de Iniciação Científica UFLA (PIBIC -CNPq e Fapemig, PIVIC), orientadora de bolsistas de Desenvolvimento (graduados), revisora de artigos científicos em publicações nacionais e internacionais. Atuou como membro de colegiado dos cursos de Pós-Graduação Engenharia Agrícola (2008-2012) , Engenharia de Sistemas (2008-2012) e Agronomia/Fitotecnia (2012-2013).

Gleice Aparecida Assis, UFU

Possui graduação em Agronomia (2008), mestrado em Agronomia/Fitotecnia pela Universidade Federal de Lavras (2010) e doutorado em Agronomia/Fitotecnia concluído na mesma instituição (2012) . Atualmente é docente da Universidade Federal de Uberlândia - Campus Monte Carmelo, ministrando as disciplinas Culturas III (Algodoeiro e Cafeeiro), Cultura da Mandioca e Experimentação Agrícola. Atua como docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Agricultura e Informações Geoespaciais (PPGAIG) na área de Tecnologias aplicadas à cafeicultura. Tem experiência na área de Agronomia principalmente nos seguintes temas: nutrição de lavouras cafeeiras, poda do cafeeiro, uso do mulching em cafeeiro irrigado e de sequeiro e manejo integrado de pragas.

Referências

Arantes, K. R.; Arantes, S. A. C. M.; Faria, M. A & Rezend, F. C. (2006). Desenvolvimento do cafeeiro(coffeaarabica L) podado sob irrigação. Revista de Ciências Agro-Ambientais, Alta Floresta, 4, 75-86.

Assis, G. A.; Guimarães, R. J.; Scalco, M. S.; Colombo, A.; Morais, A. R. & Carvalho, J. P. S (2014). Correlação entre crescimento e produtividade do cafeeiro em função do regime hídrico e densidade de plantio. BioscienceJournal, Uberlândia, 30, 666-676.

Borges, A. L. &Coelho, E. F. (2009). Fertirrigação em fruteiras tropicais. Cruz das Almas: EMBRAPA Mandioca e Fruticultura Tropical, 2ª edição, 180 p.

Carelli, M. L. C.; Fahl, J. I. &Magalhães, A. C. (1989). Assimilação de nitrato durante o desenvolvimento reprodutivo de plantas de café. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Campinas, 13, 59-64.

Carvalho, C. H. M.; Colombo, A.; Scalco, M. S. & Morais, A. R. (2006).Evolução do crescimento do cafeeiro (Coffea arábica L.) irrigado e não irrigado em duas intensidades de plantio. Ciência eAgrotecnologia, Lavras, 30, 243-250.

Coelho, G.; Silva, A.M.; Silva, R.A.; Oliveira, P.; Silva, A.C.; Sato, F.A. &Lago, F.J. (2004). Épocas de irrigação e parcelamento da adubação sobre a produtividade do cafeeiro arábica com 17 anos de idade. In: Irriga, 9, 12-18.

COSTA, A. R.; Rezende, R.; Freitas, P. S. L.de; Frizzone, J. A. &Helbel Júnior, C. (2010). Número de ramos plagiotrópicos e produtividade de duas cultivares de cafeeiro utilizando irrigação por gotejamento. Revista CiênciaAgronômica, 41, 571-581.

Dantas, A. A. A.; Carvalho, L. G. &Ferreira, E. (2007). Classificação e tendências climáticas em Lavras. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, 31, 1862-1866.

Fernandes, A. L. T.; Santinato, R.;Drumond, L. C. D. &Oliveira, C. B. de. (2007).Avaliação do uso de fertilizantes organominerais e químicos na fertirrigação do cafeeiro irrigado por gotejamento. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental. 11, 159-166.

Guimarães, P. T. G.; Garcia, A. W. R.; Alvarez, V. H.; Prezotti, L. C.; Viana, A. S.; Miguel, A. E.; Malavolta, E.; Corrêa, J. B.; Lopes, A. S.; Nogueira, F. D. &Monteiro, A. V. C. Cafeeiro. In: Ribeiro, A. C.; Guimarães, P. T. G. &Alvares, V. H. (Ed). (1999)Recomendação para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais: 5a aproximação.Viçosa, MG: UFV, p.289-302.

Pereira, A. A.;, Morais, A. R.; Scalco, M. S. &Fernandes, T. J. (2014). Evolução do crescimento do cafeeiro (Coffeaarabica L.) irrigado e não irrigado em duas intensidades de plantio. Coffee Science, Lavras, 9, 266-274.

Pires, L. M. &Calegario, N. (2007). Ajuste de modelos estocásticos lineares e não-lineares para a descrição do perfil longitudinal de árvores. Revista Árvore [online]. 31, 845-852. ISSN 0100-6762. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622007000500008.

Rezende, R.; Helbel Júnior, C.; Souza, R. S. de; Antunes, F. M. &Frizzone, J. A. (2010). Crescimento inicial de duas cultivares de cafeeiro em diferentes regimes hídricos e dosagens de fertirrigação. Engenharia Agrícola, 30, 447-458.

Santinato, R. &Fernandes, A. L. T. (2002). Cultivo do cafeeiro irrigado em plantio circular sob pivô central. 1ed. Belo Horizonte: O lutador, 251p.

Santinato, R. &Fernandes, A. L. T. (2012). Cultivo do cafeeiro irrigado por gotejamento. 2. ed. Uberaba: PLD, 388 p.

Sobreira, F. M.; Guimarães, R. J.; Colombo, A.; Scalco, M. S. &Carvalho, J. G. (2011).Adubação nitrogenada e potássica de cafeeiro fertirrigadona fase de formação, em plantio adensado. Pesquisa agropecuária brasileira, Brasília, 46, 9-16.

Tumusiime, E.; Brorsen, B.W.; Mosali, J. &Biermacher, J.T. (2011). ‘‘How Much Does Considering the Cost of Lime Affect the Recommended Level of Nitrogen?’’ Agronomy Journal, 103, 404–412.

Wang, G. L,; Ye,Y. L.; Chen, X. P. &Cui, Z. L. (2014). Determining the optimal nitrogen rate for summer maize in China by integrating agronomic, economic, and environmental aspects. Biogeosciences Discussions, 11, 2639–2664.

Publicado

2020-04-07

Como Citar

SANTANA, J. A. DO V.; COLOMBO, A.; SCALCO, M. S.; ASSIS, G. A. EVOLUÇÃO DO ÍNDICE DE ÁREA FOLIAR DE CAFEEIRO ARÁBICA SOBDIFERENTES NÍVEIS E FORMAS DE PARCELAMENTOS DE ADUBAÇÃO. PesquisAgro, v. 2, n. 2, p. 3-17, 7 abr. 2020.