SAÚDE INDÍGENA E TRANSCULTURALIDADE EM TEMPOS DE COVID-19:

UM ESTUDO DE CASO NA ALDEIA TUPINAMBÁ

Autores

  • Diego de Oliveira da Cunha diego.cunha@cfs.ifmt.edu.br
    IFMT
  • Rayany Cristen Bitencourt Souza rayanycristen@gmail.com
    UNIR
  • Clayton Pereira Gonçalves clayton.goncalves@unir.br
    UNIR
  • Angêlo Madson da Costa Barbosa angelomadson99@hotmail.com
    UFPA

DOI:

10.47270/RA.2596-2671.2021.v3.n6.id1090

Palavras-chave:

Políticas Sociais , Saúde Indígena, Transculturalidade.

Resumo

No Brasil, até outubro de 2020, foram constatados 29.132 casos de infecção e 451 óbitos de Covid-19 de povos indígenas. O objetivo dessa pesquisa é refletir sobre a administração das políticas sociais de saúde durante a Pandemia COVID-19 e choque entre fatores culturais dos indígenas da aldeia Tupinambá e os prestadores de serviço na área da saúde, que interferem na realização das práticas e de cuidado aos povos dessa etnia. Trata-se de uma pesquisa descritiva, de abordagem interpretativista, fundamentado no método de análise de conteúdo da Bardin (1977), a qual mostra que, por meio da abordagem interpretativista, compreendemos a relação as políticas sociais de saúde no que tange sobre os fatores culturais no atendimento ao indígena, contribuindo para a área de estudos organizacionais. Como instrumento de pesquisa foi utilizado um questionário, constituído por 7 perguntas, que foram respondidos por 2 moradores da aldeia São Francisco Território Tupinambá que fica localizado na cidade de Santarém/PA, Brasil. Os dados foram coletados no período de outubro a novembro de 2020, de maneira online, usando a Teoria Transcultural do Cuidado como força motriz inspiradora da investigação. A interpretação dos resultados revela grandes falhas na administração das políticas sociais com relação às políticas indigenistas de saúde, dentre eles os choques culturais, não existindo o cuidado cultural e o respeito aos costumes e saberes desse povo. Também permite inferir que as políticas sociais ainda não estão garantindo os direitos dessa população brasileira socioeconomicamente vulnerável, acarretando por consequência, extremas limitações para assistência social. Logo, o estudo permite acreditar que considerar o contexto cultural do povo indígena pode contribuir para o desenvolvimento de novos modelos eficazes de administração da política social no contexto indígena. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR, Ana Maria Parente Garcia. Descrição interpretativa: uma abordagem metodológica viável para a pesquisa em enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. Ceará. 2018.

BAETA, Adelaide Maria Coelho. Transições Demográficas e Novas Demandas em Saúde: O atendimento a terceira idade. Revista Administração Pública. Rio de Janeiro. Abr/jun. 1991.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Livraria Martins Fontes. São Paulo. 1977.

BEHRING, Elaine Rossetti; BOSCHETTI, Ivanete. Política Social: Fundamentos e História. 9 Edição. Cortez Editora 9. São Paulo. 2011.

BRASIL, Decreto Art. 19-F da Lei N° 9.836, de 23 de Setembro de 1999.

BRASIL, Plataforma de monitoramento da situação indígena na pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no. Página inicial. Disponível em: <https://covid19.socioambiental.org/>. Acesso em: 13 de dezembro de 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Brasília, 2020.

CUNHA, D. O. Sistemas de Informação em Saúde: Intenção de uso do Prontuário Médico Eletrônico em Niterói. 2020. 90f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Escola de Ciências Sociais Aplicadas (ECSA), Universidade do Grande Rio Professor José de Souza Herdy (UNIGRANRIO), Duque de Caxias, 2020.

DIMAGGIO, Paul. Culture and cognition. Annual review of sociology, v. 23, n. 1, p. 263-287, 1997.

FERNANDES, Maria Neyrian de Fátima. Representações sociais sobre a prática do cuidado para enfermeiros da saúde indígena: um estudo transcultural. Rio Grande do Norte, 2010.

GARNELO, Luiza; SAMPAIO, Sully. Bases sócio-culturais do controle social em saúde indígena. Problemas e questões na Região Norte do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, pág. 311-317, jan-fev, 2003.

GONÇALVES, C. P; LUNA, C. P; CUNHA, D. O; SINAY, M. C. F; AYROSA, E. A. T. Gênero, Violência e Políticas Públicas: Uma Análise Acerca dos Homicídios de Mulheres na Região Sudeste Entre 2003-2014. Rev. FSA, Teresina, v.17, n. 10, art. 19, p. 361-378, out. 2020.

HÖFLING, Eloisa de Mattos. ESTADO E POLÍTICAS (PÚBLICAS) SOCIAIS. Cadernos Cedes, ano XXI, nº 55, São Paulo, 2001.

LAPA, J. R Amaral. A Formação do Brasil Contemporâneo. In: MOTA, L.D. (org). Introdução ao Brasil: um banquete no trópico. 2. Ed. São Paulo: Senac, 1999.

LIMBERTI, Rita de Cássia Pacheco. Discurso Indígena: Identidade, Alteridade, Transculturalidade. Mato Grosso do Sul, 2007.

NASCIMENTO, José Antônio Moraes do. História e cultura indígena na sala de aula. Revista Latino-Americana de História, Vol. 2, nº. 6. 2013, p. 150- 170.

PINA, Rizionélia. O Cuidado À Saúde Da População Indígena Mura De Autazes-Amazonas: A Perspectiva Das Enfermeiras Dos Serviços. São Paulo, 2017.

RABELLO DE SOUZA, Janei; SANSON ZAGONEL, Ivete Palmira; ALVES MAFTUM, Mariluci. O Cuidado De Enfermagem Ao Idoso: Uma Reflexão Segundo A Teoria Transcultural De Leininger. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, vol. 8, núm. 3, septiembre-diciembre, 2007. p. 117-125.

RIBEIRO, Darcy. Linguas e Culturas Indigenas no Brasil. Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais. Rio de Janeiro. 1957.

RISSARDO, Leidyani Karina; MOLITERNO, Aline Cardoso Machado; BORDHI, Ana Carla; CARREIRAS, Lígia. Fatores da cultura Kaingang que interferem no cuidado ao idoso: olhar dos profissionais de saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem, pág. 01 a 08. Paraná, 2013.

SOARES, Artemis de Araújo. COVID-19 NO AMAZONAS E A VULNERABILIDADE DA SAÚDE E DA EDUCAÇÃO INDÍGENA. Revista de Estudos Amazônicos – UFAM, pág. 43 a 55. Amazonas, 2020.

THIOLLENT, Michel. Estudos organizacionais: possível quadro referencial e interfaces. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, v. 1, n. 1, p. 1-14, 2014.

WEISSMANN, Lisette. Multiculturalidade, transculturalidade, interculturalidade. Construção Psicopedagógica, São Paulo, v. 26, n. 27, p. 21-36, 2018.

Publicado

2021-06-30
Métricas
  • Visualizações 272
  • PDF downloads: 131

Como Citar

CUNHA, D. de O. da; SOUZA, R. C. B.; GONÇALVES, C. P.; BARBOSA, A. M. da C. SAÚDE INDÍGENA E TRANSCULTURALIDADE EM TEMPOS DE COVID-19:: UM ESTUDO DE CASO NA ALDEIA TUPINAMBÁ. Revista AlembrA, [S. l.], v. 3, n. 6, p. 131-151, 2021. DOI: 10.47270/RA.2596-2671.2021.v3.n6.id1090. Disponível em: http://periodicos.cfs.ifmt.edu.br/periodicos/index.php/alembra/article/view/1090. Acesso em: 27 nov. 2021.