AQUELARRE OU LIVRO DE MADALENA (2007), UM ESTUDO DA POÉTICA DE LUCIENE CARVALHO

Autores

  • Maria Cleunice Fantinati da Silva cleufansilva@hotmail.com
    UNEMAT- Universidade do estao de Mato Grosso,IFMT- campus Avançado Tangará da Serra
  • Elisabeth Batista lisbatys@gmail.com
    Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

DOI:

10.47270/RA.2596-2671.2021.v3.n6.id1121

Palavras-chave:

Luciene Carvalho; Escrita feminina; Enunciação poética.

Resumo

Sabe-se que ao longo do tempo, as escritoras mulheres foram sistematicamente excluídas do cânone literário. Entretanto, foi por meio da escrita que muitas mulheres se posicionaram criticamente conduzindo outras à reflexão. Na contemporaneidade, a escrita feminina prossegue buscando a igualdade e o reconhecimento em diversas áreas de conhecimento. Esta análise teve como objetivo averiguar qual o espaço da mulher na enunciação poética Luciênica.  Assim, a proposta deste trabalho se pautou, inicialmente em tecer algumas considerações sobre os empecilhos na produção literária de feminina e, posteriormente analisar dois poemas da escritora contemporânea Luciene Carvalho. A leitura de Aquelarre ou Livro de Madalena (2007), dentre inúmeros poemas de inegável expressão poética selecionou-se uma amostra representativa para estudo e análise.  Buscou-se aplicar os conceitos de Todorov (2009), Antônio Candido (2006), Leyla Perrone (2006) e Simone Beauvoir (1949).  Deste modo, procurou-se entender qual o papel desempenhado pelos arquétipos da figura feminina na obra selecionada de autoria de Luciene Carvalho e, simultaneamente, analisou-se como o eu-poético se manifesta, através de seus versos, em relação a mulher no contexto sociocultural brasileiro na literatura de autoria da mulher produzida em Mato Grosso.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cleunice Fantinati da Silva, UNEMAT- Universidade do estao de Mato Grosso,IFMT- campus Avançado Tangará da Serra

Doutoranda em Estudos Literários - PPGEL _ UNEMAT . Linha de pesquisa Literatura e vida social em países de língua oficial portuguesa". Orientadora: Elisabeth Battista. Possui graduação em Letras com habilitação em Português e Espanhol pela Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Universitário de Tangará da Serra (2007), Especialização em Estudos Literários (UNEMAT) e Mestrado em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal de Mato Grosso (2012). Professora titular do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Mato Grosso.- Campus avançado de Tangará da Serra/MT nas disciplinas de língua Portuguesa/ Literatura e Língua Espanhola nos cursos Técnicos Integrado ao Médio e Espanhol aplicado à administração e Linguagem Empresarial no curso Tecnólogo Superior em Gestão de Recursos Humanos. * Membro da Comissão Permanente de Avaliação de Projetos de Ensino, Pesquisa e Extensão do IFMT campus avançado tangará da Serra. (Portaria Nº 97, de outubro de 2018. * Membro do Colegiado do Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos do IFMT campus avançado tangará da Serra. (Portaria Nº 35, de 10 de abril de 2019)*Membro do Núcleo docente Estruturante -NDE do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos do IFMT campus avançado Tangará da Serra. ( Portaria Nº 15, de 19 de Fevereiro de 2019). Projeto Mulher Catadora: olhar transformador do edital Teresa de Benguela de 2017- um dos PRÊMIOS- Destaque na apresentação da "EXPERIÊNCIAS EXITOSAS" da REDITEC 2018, realizada de 10 /09/2018, no Atlântico Búzios Convention & Resort. Cordenadora dos Projetos de Extensão "Teresa Help " e "IFeducATIVO" 2020

Elisabeth Batista, Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT

Pós-doutorado Sênior pela Universidade de Aveiro (UA) Doutorado e Mestrado em Letras (USP) Professora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários (UNEMAT)

Referências

ALMEIDA, Sandra Regina Goulart. Prefácio- Apresentando Spivak. In: SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o Subalterno Falar? Tradução: ALMEIDA, Sandra Regina Goulart, et. al. 2. Reimpressão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

BELL HOOKS. Intelectuais negras. Periódicos UFSC: Santa Catarina 1995. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16465/15035. Acesso em 23/06/2021.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, 1977. 275 p.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade: estudos de teoria e história literária. 8. Ed. São Paulo: T. A. Queiroz, 2000. 195 p.

CANDIDO, Antonio. O estudo analítico do poema. São Paulo: Humanitas Publicações, 2006. 164 p.

CARVALHO, Luciene. Aquelarre ou livro de Madalena. Cuiabá: Instituto Usina, 2007.

CARVALHO, Maria da Penha Felicio dos Santos de; et al. O Ponto de Vista Feminino na Reflexão Ética: Histórico e Implicações para a Teoria de Organizações. Disponível: www.anpad.org.br › pdf › enanpad2001-teo-8. Acesso: 18/03/2021.

COMPAGNON, Antoine. O Demônio da Teoria: literatura e senso comum. 2.ed. Belo Horizonte: UFMG, 1999. 305 p.

GOLDSTEIN, Norma Seltzer. Versos e rimas. Ed.14.rev. e atualizada. São Paulo: Ática, 2006.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: Episódios de racismo no cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó. 2019. 249 p.

LIMA, Andressa Bessa Machado et.al. O espaço da mulher na sociedade: uma reflexão a partir de o Segundo Sexo de Simone de Beauvoir. Revista AlembrA: Confresa-MT. Volume 1. Número 3. Julho a Dezembro 2019.

MARQUETTI, Flávia Regina. (2003). A protofiguratividade da Deusa Mãe. Clássica - Revista Brasileira De Estudos Clássicos, São Paulo, v. 15/16, n. 15/16, p. 17-40, 2002/2003. Disponível em: https://doi.org/10.24277/classica.v15i15/16.224. Acesso em: 17/10/2019.

MOREIRA, Ana. Apresentação do livro. In: CARVALHO, Luciene. Aquelarre ou livro de Madalena. Cuiabá: Instituto Usina, 2007.

MOTA-Ribeiro, S. ‘Ser Eva e dever ser Maria: paradigmas do feminino no Cristianismo’, comunicação apresentada ao IV Congresso Português de Sociologia, Universidade de Coimbra, 17-19 de abril, 2000. Disponível em: https://www.academia.edu/33024801/Acesso em: 10/09/2019.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. A criação do texto literário. In: PERRONE-MOISÉS, Leyla. Flores na escrivaninha. São Paulo: Companhia das Letras, 2006, p. 100-110.

ROMANELLI, Marina. A representatividade feminina na literatura brasileira contemporânea. Rio de Janeiro, 2014. UFRJ/ECO, 51f. Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

SILVEIRA, Diego Omar da. Mulher, mãe e esposa: conservadorismo católico e representações do feminino na imprensa católica mineira. ProPosições: vol.28 no.3. Campinas set./dez. 2017. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/1980-6248-2016-0110. Acesso em 10/09/2019.

TODOROV, Tzvetan, 1939- A literatura em perigo! tradução Caio Meira. - Rio de Janeiro: DIFEL, 2009. 96 p.

SIGNIFICADO- Lemniscata. Disponível em: https://www.significados.com.br/oito-deitado/. Acesso em: 13/04/2021.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o Subalterno Falar? Tradução: ALMEIDA, Sandra Regina Goulart, [et. al.] 2. Reimpressão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

WOOLF, Virginia. Um teto todo seu. 1. Ed. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

REVISTA NA BALANÇA. Entrevista com Luciene Carvalho. Editada na FD/UFMT Ed.2, Agosto, 2020. Disponível: Na Balança agosto de 2020 BÔNUS- Luciene Carvalho.pdf. Acesso em: 21/08/2020.

Publicado

2021-06-30
Métricas
  • Visualizações 89
  • PDF downloads: 24

Como Citar

DA SILVA, M. C. F.; BATTISTA , E. AQUELARRE OU LIVRO DE MADALENA (2007), UM ESTUDO DA POÉTICA DE LUCIENE CARVALHO. Revista AlembrA, [S. l.], v. 3, n. 6, p. 51-67, 2021. DOI: 10.47270/RA.2596-2671.2021.v3.n6.id1121. Disponível em: http://periodicos.cfs.ifmt.edu.br/periodicos/index.php/alembra/article/view/1121. Acesso em: 21 out. 2021.