Autoritarismo, conflitos de classe e migração goiana em O Caminho De Trombas, de José Godoy Garcia

Autores

DOI:

10.47270/RA.2596-2671.2019.v1.n3.id552

Resumo

Este texto apresenta a obra O caminho de Trombas (1966), do escritor goiano José Godoy Garcia, com o objetivo central de refletir acerca das intersecções tensas entre práticas do autoritarismo político brasileiro e os fluxos migratórios, em Goiás, da década de 1960. Nessa narrativa, marca-se um posicionamento crítico em relação às lutas de classes, tendo como eixo central uma multidão de trabalhadores rurais goianos em movimento de idas e chegadas a espaços desconhecidos em busca de sobrevivência e, também, de existência. A metodologia empregada aqui é qualitativa, de cunho bibliográfico, a partir dos das leituras teóricas oriundas dos textos de, por exemplo, Brito (2017) e Figueiredo (2017), os quais possibilitaram melhor compreensão sobre o contexto social, político e histórico brasileiro, bem como o Neorregionalismo e a prosa literária de viés sociológico. Com isso, contribui-se para as frequentes possibilidades de revisitar o passado literário e perceber a potência de escritores, como Garcia, que, por meio da literatura, trouxeram leituras engajadas de seu tempo a favor da minoria social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-01-05

Como Citar

DE CAMPOS, I. B.; DE MELO, C. A. Autoritarismo, conflitos de classe e migração goiana em O Caminho De Trombas, de José Godoy Garcia. Revista AlembrA, v. 1, n. 3, 5 jan. 2020.