O QUE O BRASIL APRENDEU COM A PANDEMIA DE 2020?

Autores

  • Rogério Makino Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Hérica Makino Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

10.47270/RA.2596-2671.2020.v2.n5.id926

Palavras-chave:

Pandemia; Covid-19; Brasil; Negacionismo; Reflexividade.

Resumo

Nesse texto, esboça-se uma interpretação sobre como o Brasil lidou com a pandemia de Covid-19 e um cenário hipotético sobre como será o país pós-pandemia. Argumenta-se que eventos traumáticos em grande escala são oportunidades de aprendizagem social, mas que, no caso brasileiro, houve uma conjunção de fatores culturais, políticos e ideológicos que bloqueou essa oportunidade. A reflexividade – conceito tão alardeado sobre a modernidade – não parece ser a protagonista dessa conjuntura. Entre os fatores mencionados, entrelaçam-se e retroalimentam-se o anti-intelectualismo, o relativismo e o negacionismo, consonantes com o discurso oficial governamental, e potencializados por elementos socioculturais brasileiros como um individualismo exacerbado e a pouca responsabilidade para com o coletivo. Ao final, são listadas algumas lições que deveriam, mas provavelmente não serão aprendidas pelo Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogério Makino, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutor em Ciências Sociais - Universidade de Brasília

Hérica Makino, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutoranda pelo PPGVET/UFMT e Servidora Pública da UFMT/Campus Cuiabá

Referências

BAUMAN, Zygmunt; DESSAL, Gustavo. O Retorno do Pêndulo: sobre a psicanálise e o futuro do mundo líquido. Editora Schwarcz-Companhia das Letras, 2017.

BRYM, Robert J. et al. Sociologia: uma bússola para um novo mundo. Cengage Learning, 2006.

GIDDENS, Anthony. As Consequências da Modernidade. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

GORENDER, Jacob. Liberalismo e Escravidão. Entrevista. Estudos Avançados, 2002.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. As Raízes do Brasil. Edição Crítica. Companhia das Letras, 2016.

IBARGOYEN, Loiret Chiappa. O Fenômeno Collor: quando a mídia transforma um “cassador” em cassado (1988 - 1992). TCC (Graduação em História). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre – RS, 2019.

LIMA, Leila Souza. 18% dos brasileiros vêem cloroquina como curda da covid; 7% crêem no alho. Valor Econômico. São Paulo, 20 de julho de 2020.

MATTA, Roberto da. Carnavais, Malandros e Heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1979.

ORWELL, George. A Revolução dos Bichos. Companhia das Letras, 2007.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana; FREIXO, Adriano de. Brasil em Transe: bolsonarismo, nova direita e desdemocratização. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2019.

SILVEIRA, Ronie A. T. Filosofia Brasileira.Porto Alegre: Editora Fi, 2019.

SOLANO, Esther; ROCHA, Camila (orgs). As Direitas na Rede e nas Ruas: a crise política no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2019.

SOLANO, Esther (org). O Ódio como Política: a reinvenção das direitas no Brasil. Boitempo Editorial, 2018.

Vários Autores. Democracia em Risco: 22 ensaios sobre o Brasil hoje. Companhia das Letras, 2019.

Publicado

2021-01-13

Como Citar

MAKINO, R.; MAKINO, H. O QUE O BRASIL APRENDEU COM A PANDEMIA DE 2020?. Revista AlembrA, v. 2, n. 5, p. 13-23, 13 jan. 2021.