ENSINO E TECNOLOGIA: DIÁLOGOS POSSÍVEIS ENTRE O ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO E A FORMAÇÃO DISCENTE

Eliza Adriana Sheuer Nantes, Maria Júlia Carneiro Giraldes, Themis Farias de França Desiderio, Ana Paula Pinheiro da Silveira

Resumo


Resumo: Este trabalho interliga os resultados da pesquisa “A formação de professores em cursos de licenciatura EaD: do aprender com tecnologia ao ensinar com tecnologia”, atrelado à linha de pesquisa “Ensino de Linguagens e suas Tecnologias”, cujo objetivo é investigar o impacto das novas tecnologias na formação discente, mais especificamente no Estágio Curricular Obrigatório, dos alunos de Letras, na modalidade Ensino Presencial Conectado. Para tanto, procedeu-se uma pesquisa qualitativa, realizada junto aos alunos de graduação dos últimos períodos do curso de Letras de uma universidade particular do estado de Minas Gerais, utilizando-se o questionário, enquanto instrumento de pesquisa. A ancoragem teórica seguiu a linha epistemológica do multiletramento enquanto prática social, tendo em vista a necessidade de novas práticas de leitura, dentro do contexto tecnológico vigente. Os dados apontaram para uma consciência dos discentes sobre a necessidade do uso da tecnologia na esfera escolar, porém a enunciação dos sujeitos indicou, também, que ainda há falta de saberes sobre como transpor o construto teórico na prática.

Palavras-chave: Ensino. Educação a Distância. Formação de Professor.

 

Abstract: This work connects the results of the research that was carried out in the Project “Teacher education in undergraduate courses distance learning: of learning with technology while teaching with technology", linked to the line of research "Teaching of Languages and their Technologies”, which aims to investigate the impact that new technologies have on students formation, more specifically in Mandatory Curricular Practicum for Letters students in Connected Classroom Teaching. For this purpose, a qualitative research was carried out with students who were in the last semesters of the Letters Course in a private university in the state of Minas Gerais. A questionnaire was used as an instrument for the research. The theoretical references followed an epistemological basis of multiliteracy as a social practice and the data showed that students are conscious about the necessity of using technology at schools. Nevertheless, their enunciation also indicated that they still do not know how to put this theory in practice.

Keywords: Education. Distance Education. Teacher Education.


Palavras-chave


Ensino; Formação continuada; Educação a distância

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail M. Estética da criação verbal. 5. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação – Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua portuguesa – 3º e 4º Ciclos do Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2017.

CARMO, Josué G. Botura. O letramento digital e a inclusão social. 2013. Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2017.

LÉVY, Pierre. O que é virtual?. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Ed. 34, 1996.

MERCADO, Luís Paulo Leopoldo. Formação docente e novas tecnologias. In: Luiz Paulo Leopolto (Org.). Novas tecnologias na educação: reflexões sobre a prática. Maceió: Edufal, 2002.

MORAN, José Manuel; MASETTO, Marcos T.; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

NANTES, Eliza. Língua portuguesa II: leitura e produção de texto. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

RAMPAZZO, S. R. R.; FRANÇA, C. S.; BADALOTTI, G. M.; FAVERE, J. Educação e tecnologias. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional, 2014.

ROJO, R. H. R. Linguagens Códigos e suas tecnologias. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Departamento de Políticas do Ensino Médio. Orientações curriculares do ensino médio. Brasília, 2004.

ROJO, Roxane; MOURA, Eduardo. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012.

SANTAELLA, L. Linguagens líquidas na era da mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

SILVA, Solimar Patriota. Letramento digital e formação de professores na era da web 2.0: o que, como e por que ensinar?. Hipertextus Revista Digital, n. 8, jun. 2012. Disponível em: .Acesso em: 15 set. 2017.

SOARES, M. B. Novas Práticas de Leitura e Escrita: letramento na cibercultura. Educ. Soc., Campinas, v. 23, n. 81, p. 143-160, dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2017.

SOARES, M. B. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

TFOUNI, L.V. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez, 1995.

XAVIER, Antônio Carlos dos Santos. Leitura, texto e hipertexto. In: MARCUSCHI, L.A. (Orgs.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

XAVIER, Antônio Carlos dos Santos. Letramento digital e ensino. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2018.v3.n2.p720-739.id135

Apontamentos

  • Não há apontamentos.