DIÁLOGOS COM A MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: POSSIBILIDADES DE APRENDIZAGEM COM A PEDAGOGIA FREINET
PDF

Palavras-chave

Educação Infantil
Educação Matemática
Pedagogia Freinet

Como Citar

TORTORA, E. DIÁLOGOS COM A MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: POSSIBILIDADES DE APRENDIZAGEM COM A PEDAGOGIA FREINET. Revista Prática Docente, v. 5, n. 2, p. 652-672, 31 ago. 2020.

Resumo

Esta pesquisa descreve os percursos e aprendizagens de crianças da Educação Infantil nos seus tateamentos experimentais envolvendo conhecimentos matemáticos. O objetivo deste estudo é responder ao seguinte problema de pesquisa: “Quais vivências podem ser planejadas para a aprendizagem de conceitos matemáticos na Educação Infantil dentro de pressupostos da Pedagogia Freinet?”. Para os estudos, fez-se uso dos referenciais teóricos de Pedagogia Freinet, como Freinet (1996), Sampaio (2006) e da Educação Matemática, como Lorenzato (2008) e Smole (2003). A metodologia de pesquisa utilizada foi a pesquisa-ação. Os resultados apontam que intervenções planejadas conseguiram criar contextos ampliados para aprendizagem de matemática resultando em aprendizagens que se fizeram presentes em brincadeiras e interações entre as crianças durante as rotinas da turma como pular-corda, brincar de amarelinha, jogos matemáticos, utilização de mapas da sala e registros de contagens.
https://doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2020.v5.n2.p652-672.id715
PDF

Referências

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a Educação Infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL, MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Base Nacional Comum Curricular. Proposta preliminar (3ª versão). Abr. 2017.

CAMPINAS, Diretrizes Curriculares da Educação Infantil: Um processo de reflexão e ação. Secretaria Municipal de Educação, Campinas, 2014.

COUTINHO, Clara Pereira; SOUSA, Adão; DIAS, Anabela; BESSA, Fátima; FERREIRA, Maria José Rodrigues Cunha; VIEIRA, Sandra Regina (2009). Investigação‐acção: metodologia preferencial nas práticas educativas. Revista Psicologia, Educação e Cultura, 13:2 , pp. 355- 379.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. A pedagogia da pesquisa-Ação. Educação e Pesquisa, São Paulo, SP, v. 31, n. 03, p. 483-502. set./dez.2005.

FREINET, Élise. O itinerário de Célestin Freinet: a livre expressão na pedagogia de Freinet. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979.

FREINET, Celestin. Pedagogia do Bom Senso. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

GARNICA, Antonio Vicente. História Oral e educação Matemática. In: BORBA, Marcelo . de Carvalho.; ARAÚJO, Jussara de Loiola (Org.) Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p.1-18.

GUNTHER, Hartmut. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 22, n. 2, p. 201-210, 2006.

LORENZATO, Sérgio. Educação Infantil e Percepção Matemática. Campinas: Autores Associados, 2008.

SAMPAIO, Rosa Maria Whitaker. Freinet: evolução histórica e atualidades. São Paulo: Editora Scipione, 2006.

SMOLE, Kátia; DINIZ, Maria Ignez S. V.; CANDIDO, Patrícia T. Brincadeiras infantis nas aulas de Matemática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SMOLE, Kátia. A matemática na educação infantil. a teoria as inteligências múltiplas na prática escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. 7ª. ed. São Paulo: Cortez, 1996.

TORTORA, Evandro. O Lugar da Matemática na Educação Infantil: um estudo sobre as atitudes e crenças de autoeficácia das professoras no trabalho com as crianças. 2019. 222 f. Tese (Doutorado em Educação para Ciência) – Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista - UNESP, Bauru. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/191442. Acesso em: 12 fev. 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licensiado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 A Revista Prática Docente tem o direito de primeira publicação

Downloads

Não há dados estatísticos.