FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS À LUZ DAS PRODUÇÕES CIENTÍFICAS BRASILEIRAS
PDF

Palavras-chave

Curricular Flexibility
Changes
Learnings Flexibilização Curricular
Mudanças
Aprendizagens Flexibilidad de los Planes de Estudio
Cambios
Aprendizaje

Como Citar

ARAUJO, G. B. S. S.; OLIVEIRA, E. C. FLEXIBILIZAÇÃO CURRICULAR: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS À LUZ DAS PRODUÇÕES CIENTÍFICAS BRASILEIRAS. Revista Prática Docente, [S. l.], v. 6, n. 1, p. e004, 2021. DOI: 10.23926/RPD.2021.v6.n1.004.id982. Disponível em: http://periodicos.cfs.ifmt.edu.br/periodicos/index.php/rpd/article/view/982. Acesso em: 3 mar. 2021.

Resumo

Neste artigo se apresentam resultados do estado da arte que procurou analisar as produções científicas brasileiras sobre as concepções e práticas da Flexibilização Curricular. Discute-se sobre os resultados quantitativos e qualitativos de informações sobre a temática presentes no Catálogo de Teses e Dissertações e Portal de Periódicos da Capes, entre os anos de 2010 e 2020. Utilizou-se a análise textual discursiva (ATD), a partir da qual emergiram quatro categorias oriundas das interpretações da desfragmentação dos textos analisados: possibilidades na flexibilização dos currículos para uma aprendizagem significativa; metodologias ativas de ensino; práticas pedagógicas e suas contribuições na autonomia e potencialidades dos alunos; e atividades complementares. Os estudos evidenciaram que a flexibilização curricular deve ser construída por meio de conteúdos flexíveis, bem como por métodos ativos e práticas pedagógicas inovadoras e pelo desenvolvimento de atividades complementares. Dessa forma, tais relações podem promover aprendizagens autônomas, críticas, reflexivas e transformadoras nos alunos.
https://doi.org/10.23926/RPD.2021.v6.n1.004.id982
PDF

Referências

ABRÃO, Mariangela. A importância das atividades complementares na formação do aluno da graduação. 2015. - 235 f. Campinas: Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015. Disponível em: https://cutt.ly/qgPGuTY. Acesso em: 29 set. 2020.

BORDENAVE, Juan Diaz; PEREIRA, Adair Martins. Estratégias de ensino-aprendizagem. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. Disponível em: https://cutt.ly/wgPGo0C. Acesso em: 13 set. 2020.

BRASIL. Resolução no 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 22 nov. 2018. Disponível em: https://cutt.ly/agSWNx6. Acesso em: 1 out. 2020.

CABRAL NETO, Antonio. Flexibilização curricular: cenários e desafios. Natal, RN: EDUFRN – Editora da UFRN, 2004. Disponível em: https://cutt.ly/hgPGL1y. Acesso em: 15 set. 2020.

CARVALHO, Elma Júlia Gonçalves de; PICOLI, Elaine Sinhorini Arneiro. Políticas de flexibilização Curricular: Uma análise sobre o programa ensino médio inovador (Proemi). Revista Educere et Educare, v. 12, n. 24, p. 1–20, 2017. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/educereeteducare/article/view/16385. Acesso em: 14 set. 2020.

FERREIRA, Norma Sandra de Almeida. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, v. 23, n. 79, p. 257–272, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302002000300013. Acesso em: 28 set. 2020.

FERREIRA, Carlos Alberto. A flexibilidade curricular: um estìmulo à mudança das práticas pedagógicas. Revista Espaço do Currículo, v. 13, n. 2, p. 316–325, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2020v13n2.45563. Acesso em: 14 set. 2020.

FORGRAD. Anteprojeto de lei da educação superior: contribuições do Forgrad. Unesp, 2005. Disponível em: https://cutt.ly/rgPF0Bc. Acesso em: 14 set. 2020.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Práticas pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Educação e Pesquisa, v. 41, n. 3, p. 601–614, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1517-9702201507140384. Acesso em: 22 set. 2020.

KIM, Leila. Métodos ativos de ensino: coconstrução subjetiva da capacidade de pensar o próprio pensamento em sala de aula. Revista Brasileira de Psicodrama, v. 26, n. 1, p. 31–40, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.15329/2318-0498.20180015. Acesso em: 20 set. 2020.

KUENZER, Acacia Zeneida. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação & Sociedade, v. 38, n. 139, p. 331–354, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017177723. Acesso em: 19 set. 2020.

MILL, Daniel. Flexibilidade educacional na cibercultura: analisando espaços, tempos e currículo em produções científicas da área educacional. RIED. Revista Iberoamericana de Educación a Distancia, v. 17, n. 2, p. 97–126, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.5944/ried.17.2.12680. Acesso em: 14 set. 2020.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular. MEC, 2019. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf. Acesso em: 1 nov. 2020.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise Textual Discursiva. Ijuí: Editora Unijuí, 2011.

MORAN, José. Metodologias ativas e modelos híbridos na educação. In: YAEGASHI, Solange Franci Raimundo et al. (org.). Novas Tecnologias Digitais: Reflexões sobre mediação, aprendizagem e desenvolvimento. Curitiba: CRV, 2017. p. 23–35. Disponível em: https://cutt.ly/agPGSlq. Acesso em: 13 set. 2020.

MOREIRA, Marco Antonio. ¿Al final, qué es aprendizaje significativo? Qurriculum, v. 25, p. 29–56, 2012. Disponível em: http://riull.ull.es/xmlui/handle/915/10652. Acesso em: 20 set. 2020.

MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa; SILVA, Tomaz Tadeu da. Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 2002.

NOGUEIRA, Rejane Fernandes. Metodologias ativas de ensino e aprendizagem: a percepção de professores do Curso de Nutrição de uma Instituição de Ensino Superior na Amazônia Ocidental. 2017. - 166f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino em Ciências da Saúde) - Programa de Pós-Graduação em Ensino em Ciências da Saúde (MPECS), Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho, 2017. Disponível em: https://www.ri.unir.br/jspui/handle/123456789/2575. Acesso em: 18 set. 2020.

PAIVA, Marlla Rúbya Ferreira et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem: revisão integrativa. SANARE, v. 15, n. 02, p. 145–153, 2016. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1049. Acesso em: 20 set. 2020.

PILEGGI, Gisele et al. Formação do engenheiro de produção: participação dos discentes em atividades complementares. In: , 2005, Campina Grande. XXXIII Congresso Brasileiro de Ensino de Enganharia. Campina Grande: ABENGE/UFCG-UFPE, 2005. p. 1–7. Disponível em: https://cutt.ly/FgSWBps. Acesso em: 30 set. 2020.

PINTO, Marcelo Barbosa. Flexibilização curricular: a proposta do ensino médio inovador e a profissionalização do ensinar. 2016. - 108 f. Foz do Iguaçu: Dissertação (Mestrado em Ciências, Linguagens, Tecnologias e Cultura) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Foz do Iguaçu, 2016. Disponível em: http://tede.unioeste.br/handle/tede/1016. Acesso em: 18 set. 2020.

ROGERS, Carl Ransom. Tornar-se pessoa. 5. ed. São Paulo: Martins, 2001.

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SENN, Kátia Elizabeth Drosda. Currículo Adaptado e Flexível: Desafios e Possibilidades. 2013. - 36 f. União da Vitória: Monografia (Pós-Graduação em Educação Especial) - Secretaria de Estado da Educação do Paraná, Superintendência da Educação, Diretoria de Políticas e Programas Educacionais, Programa de Desenvolvimento Educacional, União da Vitória, 2013. Disponível em: https://cutt.ly/ogPGs2V. Acesso em: 13 set. 2020.

SOARES, Francisca Maria Gomes Cabral. Efeitos de um programa colaborativo nas práticas pedagógicas de professoras de alunos com autismo. 2016. - 220 f. Rio de Janeiro: Tese (Doutorado em Educação) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://cutt.ly/EgAxDPw. Acesso em: 18 set. 2020.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2012.

TIMOTEO, Rosalba Pessoa de Souza. A Universidade e a flexibilização curricular: dilemas e desafios a enfrentar. Flexibilização curricular: cenários e desafios. Natal, RN: EDUFRN – Editora da UFRN, 2004. p. 19–30. Disponível em: https://cutt.ly/hgAxuAJ. Acesso em: 15 set. 2020.

ZANELLA, Liane Carly Hermes. Metodologia de pesquisa. 2. ed. Florianópolis: UFSC, 2013. Disponível em: https://cutt.ly/IgPHDQ6. Acesso em: 15 set. 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licensiado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 A Revista Prática Docente tem o direito de primeira publicação

Downloads

Não há dados estatísticos.