GEOMETRIA NA FORMAÇÃO DAS NORMALISTAS DO INSTITUTO SANTA MARTA NO MUNICÍPIO DE BARRA DO GARÇAS (1960 - 1980)

Autores

DOI:

10.23926/RPD.2526-2149.2020.v5.n2.p626-651.id691

Palavras-chave:

Ensino de geometria, Cultura escolar, Formação de professores, Escola primária

Resumo

Este artigo é parte da Pesquisa de Mestrado do Programa de Pós-Graduação da Universidade de Cuiabá e tem como objeto de estudo o ensino de geometria na formação de professoras normaliatas do ensino primário em Barra do Garças/MT. Ancorada na abordagem histórico-cultural, o estudo fundamentou-se nos aportes teóricos de Chervel (1990), De Certeau (1982), Julia (2001), Pinto (2014) e Silva; Valente (2014). Teve como objetivo analisar a presença da geometria na formação das normalistas que cursaram o magistério e lecionaram no Instituto Santa Marta no período delimitado da pesquisa. As fontes foram constituídas pelos depoimentos e diários de classe com ênfase no ensino da geometria na escola primária. Os dados revelam a presença da geometria indicando como as normalistas aprendiam e ensinavam os conceitos geométricos em sala de aula, possibilitando novas indagações e reflexões frente ao descaso das escolas pela disciplina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laura Isabel Marques Vasconcelos de Almeida, Universidade de Cuiabá

Graduada em Pedagogia pela Universidade de Cuiabá (1994). Doutora em Educação pelo Programa de Pós Graduação da PUCPR, na linha de pesquisa: História e Políticas da Educação, concluído no ano de 2010 e Mestre em Educação pela UFMT, na linha de pesquisa em Educação em Ciências (2006). Vinculada ao Grupo de Pesquisa de História da Educação Matemática (GHEMAT), desde 2007. Especialista em Didática e Avaliação Educacional / UFMT (2000) Têm experiências na área de Gestão Escolar como Coordenadora Pedagógica, Professora da Educação Básica e do Ensino Superior. Atualmente orienta TCC no curso de Pedagogia e docente do Programa de Pós Graduação Stricto sensu do Mestrado em Ensino da Universidade de Cuiabá.

Referências

ALMEIDA, Laura I. M. V. de. Ensino de matemática nas séries iniciais no estado de Mato Grosso (1920-1980): uma análise das transformações da cultura escolar. 2010. 230 f. Tese (Doutorado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba, 2010.

ALMEIDA FILHO, Orlando José de. A estratégia da produção e circulação católica do projeto editorial das coleções de Theobaldo Miranda Santos: (1945-1971). Tese (Doutorado em Educação História Pólítica Sociedade). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2008.

BARROS, José D´Assunção. Memória e história: uma discussão conceitual. In: Tempos históricos Dossiê: História, cinema e música. Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Campus Marechal Cândido Rondon. Centro de Ciências Humanas, Educação e Letras. Colegiado do curso de História – v.15, N. 01. Ano XIII. 1º semestre. Marechal Cândido Rondon: EDUNIOESTE, 2011. (p. 369-400).

BITTAR, Mariluce. A educação superior na região sul de Mato Grosso e a influencia salesiana – décadas de 60 e 70. Campo Grande: UCDB. Relatório de pesquisa, 2001. Disponível em: https://www.ufmt.br/revista/arquivo/rev21/mariluce.html.

BITTENCOURT, Circe Fernandes. Disciplinas Escolares: história e pesquisa. In: OLIVEIRA, Marcus; RANZI, Serlei (Org.). História das Disciplinas Escolares no Brasil: contribuições para o debate. Bragança Paulista: EDUSF, 2003. P. 9-38.

BLOCH, Marc. Apologia da História ou o Ofício do Historiador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BRASIL. Lei de 15 de outubro de 1827. Manda crear escolas de primeiras letras em todas as cidades, villas e logares mais populosos do Império. Disponível em: http://www2.camara.gov.br/legislacao/publicacoes/doimperio.

CASTRO, Francisco Mendes de Oliveira, E ed. A Matemática no Brasil. Campinas, S.P.- Editora da Unicamp, 1999.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Tradução Maria Manuela Galhardo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil,1990.

CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, Porto Alegre, n. 2, p.177-229, 1990.

DE CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária, 1982.

EBY, Frederick. História da educação moderna: séc. XVI/séc. XX. 5 ed. Porto Alegre: Globo, 1978.

FAINGUELERNT, E.K. O Ensino de Geometria no 1º e 2º Graus. A Educação Matemática em Revista. SBEM, nº 4, p.45. Blumenau. 1º semestre, 1995.

FERNANDES Juliana Chiarini Balbino; BORGES Rosimeire Aparecida Soares. O Ensino de Primeiro Ano Primário em Tempos de Escola Ativa: a geometria nos programas brasileiros. Revista Exitus, Santarém, PA. V. 5 nº 2. Exitus. Pará, 2015, p. 194-213.

FILHO, Luciano Mendes de Faria; GONÇALVES Irlen Antônio; VIDAL Diana Gonçalves; PAULILO, André Luiz. A cultura escolar como categoria de análise e como campo de investigação na história da educação brasileira. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.30, n.1, p. 139-159, jan./abr. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v30n1/a08v30n1.pdf. Acesso dia 08 de agosto de 2020.

FIN, Maria Teresinha. Apropriação das Ideias Escolanovistas no Curso de Formação de Professores em Mato Grosso (1910-1937). Dissertação Cuiabá – MT 2012.

GARNICA, Antonio Vicente Marafioti; Souza Luzia Aparecida de. Elementos de História da Educação Matemática. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/109211/ISBN9788579832932.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em 09 de agosto de 2020.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara, 1989.

GRAMSCI, Antônio. Concepção dialética da história. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,1973.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Tradução de Gizele de Souza. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, n.1, jan/jun.2001, p.9-43.

JULIA, Dominique. Disciplinas escolares: objetivos, ensino e apropriação. In: LOPES, A.; MACEDO, E. (Org.) Disciplinas e integração curricular: história e políticas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p. 37-72.

MARCÍLIO, Humberto. História do ensino em Mato Grosso. Cuiabá - MT, Secretaria de Educação, Saúde e Cultura, 1963.

MATO GROSSO. Mensagem Presidencial - Presidente do Estado á Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Arquivo Público de Mato Grosso, Cuiabá – MT, 1963.

MATO GROSSO. Presidência da Província. Discurso. O Presidente da Província, Ricardo José Gomes Jardim, apresenta discurso na abertura da sessão ordinária da Assembléia Legislativa Provincial. Cuiabá, 1 mar. 1845. NDIHR – Microfilme rolo 1 (R.P.P.), 1835- 1864, p. 17-19.

MATO GROSSO. Lei Provincial nº 8, de 05 de maio de 1837. Cuiabá 5 de Maio de 1837. Disponível em: https://www.al.mt.gov.br/storage/webdisco/leis/lim-8-1837.pdf Acesso em: 13/11/2019.

MENESES, Ricardo Soares de. Uma história da Geometria escolar no Brasil: de disciplina a conteúdo de ensino Dissertação de Mestrado, São Paulo: PUC, 2007. Disponível em: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/11203 Acesso em: 08/08/2020.

MISSÃO EM NOTÍCIA. Colégios: a educação a serviço da cidadania. In: Boletim Salesiano. São Paulo: Editora Salesiana, ano 52, nº 2, março/abril de 2002.

MOCROSKY. Luciane Ferreira; MONDINI. Fabiane; ESTEPHAN. Violeta Maria. O ensino de geometria no Brasil: alguns aspectos da sua origem nos livros didáticos brasileiros. III Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia. Ponta Grossa-PR. 2012. Disponível em: http://www.sinect.com.br/anais2012/html/artigos/ensino%20mat/19.pdf. Acesso em: 08/08/2020.

MUNIZ. Angelina Maria Cartaxo. Procedimentos utilizados por estudantes do nível médio técnico em problemas de semelhança de triângulos contextualizados e não contextualizados. Dissertação (Mestrado em Educação). UFRPE, 2017.

PINTO, Neuza Bertoni. História das disciplinas escolares: reflexão sobre aspectos teórico-metodológicos de uma prática historiográfica. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 14, n. 41, p. 125-142, jan./abr. 2014.

REVEL, Jacques; CERTEAU, Michel de; JULIA, Dominique. A beleza do morto: o conceito de cultura popular. In: REVEL, Jacques. A Invenção da sociedade. Lisboa: DIFEL, 1989, p. 49-75.

SAVIANI, Demerval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 3 ed. Campinas: Autores Associados, 2010.

SANTOS, Jamile Aparecida Saulino dos. Problemas de ensino e de aprendizagem em perímetro e área: um estudo de caso com professores de matemática e alunos de 7ª série do ensino fundamental. 117 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Metodista de Piracicaba – Piracicaba/SP, 2011.

SANTOS, Elton Castro Rodrigues dos. Escolas reunidas mato-grossenses: as prerrogativas educacionais expressa no regulamento de 1927. XVIII ENDIPE Didática e Prática de Ensino no contexto político contemporâneo: cenas da Educação Brasileira. 2016, p. 8387 a 8398. Disponível em: https://www.ufmt.br/endipe2016/downloads/233_10198_36309.pdf Acesso em 11/11/2019.

SILVA Maria Celia Leme; VALENTE, Wagner Rodrigues (orgs). A geometria nos primeiros anos escolares: História e perspectiva atuais. Campinas, SP: Papirus,2014.

SIMIÃO, Regina Aparecida Versoza. O processo de profissionalização docente em Mato Grosso (1930-1960). Cuiabá, MT. EdUFMT, 2006.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 9 ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

TARDIF, Maurice. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Elementos para uma epistemologia da pratica profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação. 10 ed. Petrópolis, RJ: vozes, 2010.

VALENTE. Wagner Rodrigues. Considerações sobre a matemática escolar numa abordagem histórica. Cadernos de História da Educação - nº. 3 - jan./dez. 2004. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/160367/363-1269-1 PB.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso dia 07 de agosto de 2020.

VALENTE, Wagner Rodrigues. A matemática nos anos iniciais escolares em perspectiva histórico-comparativa. Hist. Educ. [Online] Porto Alegre v. 18 n. 44 Set./dez. 2014 p.7-8.

VIDAL, Diana Gonçalves. Escola Nova e Processo Educativo 500 anos de Educação no Brasil. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003, p. 497-517.

VIDAL, Diana Gonçalves. No interior da sala de aula: ensaio sobre cultura e prática escolares. Currículo sem Fronteiras, v.9, n.1, 2009, p.25-41.

ZABALZA, Miguel Antoni. Diários de aula. Um instrumento de pesquisa e desenvolvimento pessoal. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Publicado

2020-08-31
Métricas
  • Visualizações 896
  • PDF downloads: 151

Como Citar

GAMA, M. M.; ALMEIDA, L. I. M. V. de; PINTO, N. B. GEOMETRIA NA FORMAÇÃO DAS NORMALISTAS DO INSTITUTO SANTA MARTA NO MUNICÍPIO DE BARRA DO GARÇAS (1960 - 1980). Revista Prática Docente, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 626-651, 2020. DOI: 10.23926/RPD.2526-2149.2020.v5.n2.p626-651.id691. Disponível em: http://periodicos.cfs.ifmt.edu.br:443/periodicos/index.php/rpd/article/view/691. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Matemática e suas tecnologias