O USO DO JARDIM ZOOLÓGICO DO CIGS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS
PDF
.

Métricas

  • Visualizações 495
  • PDF downloads: 100

Palavras-chave

Espaços não-formais
Ensino de Ciência
Zoológico.

Como Citar

CARVALHO, F. B.; TERÁN, A. F.; SILVA, M. F. G. da. O USO DO JARDIM ZOOLÓGICO DO CIGS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS. Revista Prática Docente, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 685-696, 2019. DOI: 10.23926/RPD.2526-2149.2019.v4.n2.p685-696.id524. Disponível em: http://periodicos.cfs.ifmt.edu.br/periodicos/index.php/rpd/article/view/524. Acesso em: 20 abr. 2021.

Resumo

Os jardins zoológicos são importantes locais paraa educação, pesquisa e conservação da biodiversidade. O nosso objetivo foi sinalizara possibilidade de se trabalhar o ensino de Ciências num jardim zoológico amazônico. A pesquisa tem uma abordagem qualitativa com enfoque descritivo. Foi realizada durante a disciplina “Educação em Ciências em Espaços Não Formais”,ofertada pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia.Utilizamos como procedimento a observação direta, com um olhar reflexivo e crítico. Para registro dos dados usamos caderno de campo e câmera fotográfica. O jardim zoológico do CIGS é um ambiente rico em biodiversidade, que possibilita aos alunos um aprendizado por meio de práticas educativas que se aproximam do conhecimento prévio dos alunos. Foi importante para a turma de mestrado vivenciar esta experiência com um olhar de professor pesquisador, de como podemos usar esses espaços nas aulas de Ciências. Refletimos sobre a possibilidade de um ensino que relacione a teoria e a pratica, abrindo caminhopara aprendizagens significativas.
10.23926/RPD.2526-2149.2019.v4.n2.p685-696.id524
PDF

Referências

ALENCAR, Raimundo Nonato Brilhante de; FACHÍN-TERÁN, Augusto. O processo de aprendizagem das crianças por meio da música e elementos sonoros em espaços educativos.Manaus: Editora e Gráfica Moderna, 2015. 186p.

ARAÚJO, Joeliza Nunes; SILVA, Cirlande Cabral da; DIAS, Odilene; FACHÍN-TERÁN, Augusto; GIL, Antonio Xavier. Zoológico do CIGS: um espaço não-formal para a promoção do ensino de zoologia no contexto da Amazônia. Trabalho de comunicação oral apresentado no I Simpósio Internacional de Educação em Ciências na Amazônia - I SECAM. 2011. Disponível em: https://ensinodeciencia.webnode.com.br/. Acesso em: 20 ago. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Currículo Nacional do Ensino Básico – Competências essenciais. Ciências Físicas e Naturais, 2001.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica. 4 ed. São Paulo: Makron Books, 2002.

CHASSOT, Attico. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 7 ed. Ijuí: Unijuí, 2016.

FACHÍN-TÉRAN, Augusto; SANTOS, Saulo Cézar Seiffert. Novas perspectivas de Ensino de ciências em espaços não formais amazônicos. Manaus/AM: UEA Edições, 2013.

GHEDIN, Leila Marcia; MARQUES, Fábio Francisco de Freitas; FACHÍN-TERÁN, Augusto; GHEDIN,Iliane Margarete. A educação científica na educação infantil. Areté. Revista Amazônica de Ensino de Ciências, v.6, n.10, 2013, p. 42-52. Disponível em: http://periodicos.uea.edu.br/index.php/arete/article/view/59. Acesso em: 10 fev. 2019.

GHEDIN, Leila Marcia; GHEDIN, Iliane Margarete; FACHÍN-TERÁN, Augusto. Análise das placas informativas em espaços não formais da cidade de Manaus, Amazonas, Brasil. 4º Encontro Internacional de Ensino e Pesquisa em Ciências na Amazônia. 2014. Disponível em: https://ensinodeciencia.webnode.com.br/. Acesso em: 20 ago. 2019.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GONZAGA, Leila Teixeira; FACHÍN-TERÁN, Augusto. Espaços não-formais: contribuições para educação científica em educação infantil. In: BARBOSA, Ierecê et al. (orgs.). Avanços e desafios em processos de educação em Ciências da Amazônia. Pp. 30-46. Manaus: UEA/Escola Normal Superior/PPGE-ECA, 2011.

KRAEMER, Maria Luiza. Formação de Professores: Aprendendo com criatividade. Campinas, SP: Autores Associados, 2010.

KRASILCHIK, Myriam; MARANDINO, Martha. Ensino de Ciências e Cidadania. São Paulo: Moderna, 2004.

MACIEL, Hiléia; FACHÍN-TERÁN, Augusto. O potencial pedagógico dos espaços não formais da cidade de Manaus. Curitiba, PR: CRV, 2014. 128p.

ROCHA, João Marinho da; FACHÍN-TÉRAN, Augusto. O projeto manejo de quelônios amazônicos “pé-de-pincha” e sua contribuição na educação científica em duas comunidades ribeirinhas do assentamento agrícola “Vila Amazônia”, Parintins-AM. In: Novas perspectivas de Ensino de ciências em espaços não formais amazônicos. Manaus/AM: UEA Edições, 2013.

ROCHA, Sônia Claúdia Barroso da; FACHÍN-TERÁN, Augusto. O uso de espaços não formais como estratégia para o ensino de ciências. Manaus: UEA/Escola Normal Superior/PPGEECA, 2010.

SALLES, Gilsani Dalzoto. Metodologia do ensino de ciências biológicas e da natureza. Curitiba: Ibpex, 2007.

VIEIRA, Valéria; BIANCONI, Maria Lucia; DIAS, Monique. Espaços não-formais de ensino e o currículo de ciências. Ciência e Currículo, v.57, n.7, 2005, p. 21-23. Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v57n4/a14v57n4.pdf. Acesso em: 15 fev. 2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.