POR QUE A DISCIPLINA DE QUÍMICA GERAL REPROVA TANTO?

Autores

DOI:

10.23926/RPD.2526-2149.2020.v5.n1.p449-468.id643

Palavras-chave:

Química Geral, Aprovação, Reprovação, Aprendizagem.

Resumo

Resumo: Este trabalho faz parte de uma abordagem investigativa denominada Transição Ensino Médio/Universidade: conflitos do acesso ao ensino superior em Química. Neste artigo o objetivo foi verificar contradições estatísticas relacionadas a aprovações e reprovações na educação básica e no ensino superior em Química, e investigar a relação entre os altos índices de reprovação na disciplina de Química Geral e o perfil dos estudantes que ingressam no curso de Licenciatura em Química da UFMT – Campus Araguaia. Para isso, realizamos coleta de dados (matriculados, aprovados e reprovados) junto ao curso de Licenciatura em química e junto à SEDUC-MT, resultados de 2014 a 2018, e realizamos observação participante na turma de química geral do semestre 2019/1. Os resultados comprovaram nossa hipótese, de que há distinção quanto à aferição de notas e quanto ao nível de dificuldade das avaliações praticadas. Concluímos que, em ambos os casos, a aprendizagem não está sendo alcançada de modo satisfatório.Palavras-chave: Química Geral; Aprovação; Reprovação; Aprendizagem. Abstract: This work is part of an investigative approach called Transition High School/ University: conflicts of access to higher education in Chemistry. In this article the objective was to verify statistical contradictions related to pass and fail in Basic Education and Higher Education in Chemistry, and to investigate the relationship between the high failure rates in the discipline of General Chemistry and the profile of students who enter the undergraduate course in Chemistry at UFMT - Campus Araguaia. For this, we performed data collection (enrolled, approved and disapproved) with the chemistry degree course and with SEDUC-MT, results from 2014 to 2018, and performed participant observation in the general chemistry class of the semester 2019/1. The results confirmed our hypothesis, that there is a distinction regarding the assessment of grades and the level of difficulty of the practiced evaluations. We conclude that, in both cases, learning is not being achieved satisfactorily.Keywords: General chemistry; Approval; Disapproval; Learning.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Ribeiro Mueller, UFMT

Doutorado em andamento no Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática - REAMEC (Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática), Linha de Pesquisa Fundamentos e Metodologias para a Educação em Ciências e Matemática. Possui Mestrado em Educação pela UFMT (2012), graduação em Ciências da Natureza e Matemática - Habilitação em Química - pela mesma Universidade (2007). É professor Assistente do Curso de Licenciatura em Química no Campus UFMT do Araguaia, atuando nas disciplinas da área de Ensino de Química. Faz parte do grupo de pesquisa "Laboratório de Pesquisa em Ensino de Química - LABPEQ/UFMT/CNPQ Interesse: Ensino de Ciências na Educação do Campo, Ensino de Química, Linguagem Química, história da Química, Ensino de Ciências e Metodologias de Ensino de Química.

Leticia Vanin, Instituto Federal de Mato Grosso - Campus Barra do Garças

Possui graduação em Matemática pela Universidade de Passo Fundo (2006) e Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (2012). Atualmente é professora substituta de Matemática do Instituto Federal de Mato Grosso, campus Barra do Garças e faz parte do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática (GRUEPEM). Em 2014 foi Formadora do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), pela Universidade Estadual de Ponta Grossa e em 2015 foi Formadora do PARFOR UFMT. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Matemática, Educação de Jovens e Adultos, Metodologias e Conteúdos.

Gabriel Bezerra Cardoso, Universidade Federal de Mato Grosso - Campus Araguaia

Possui ensino medio pelo colégio sophos(2017) e está cursando licenciatura em Química pela Universidade Federal de Mato Grosso.

Rans Miler Pereira Dantas, Universidade Federal de Mato Grosso - Campus Araguaia

Possui graduação em Gestão em marketing digital pela Faculdade Anhanguera de Cuiabá(2018) e ensino medio segundo grau pela ESC EST PROF NILO POVOAS(2012). Atualmente cursa licenciatura em Química pela Universidade Federal de Mato Grosso.

Referências

ANDRADE, J. M.; MEIRA, G. R. J. M.; VASCONCELOS, Z. B. O processo de orientação vocacional frente ao século XXI: perspectivas e desafios. Psicol. ciênc. prof. vol.22 nº.3. Brasília: Set. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932002000300008. Acesso em 28/02/2020.

ARAÚJO, Léia Souza Alves de. Práticas e representações sociais sobre reprovação: um estudo no curso de engenharia elétrica da Universidade Federal de Uberlândia. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós Graduação em Educação, 2003.

BELO, Taciane Nascimento; LEITE, Luiza Beatriz Paixão; MEOTTI, Paula Regina Melo. As dificuldades de aprendizagem de química: um estudo feito com alunos da Universidade Federal do Amazonas. Scientia Naturalis, Rio Branco, v. 1, n. 3, p. 1-9, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufac.br/index.php/SciNat/article/view/2540. Acesso em 29/01/2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. – 5. ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, 2010.

CHASSOT, Attico Inacio. Para que(m) é útil o ensino? Alternativas para um ensino (de Química) mais crítico. Canoas: Ed. Ulbra, 1995.

CHASSOT, Attico Inacio. Diálogos de aprendentes. In: SANTOS, Luiz Pereira dos; MALDANER, Otavio Aloisio (Org.). Ensino de química em foco. Ijuí: Unijuí, 2010.

CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa qualitativa em Ciências Humanas e Sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

CRESWELL, J.W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa. Escolhendo entre cinco abordagens. São Paulo: Penso Editora LTDA; 2014.

CURY, Daniel Gonçalves. A relação entre professor e aluno no ensino superior vista por meio da reprovação. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Uberlândia, Programa de Pós Graduação em Psicologia, 2012. Disponível em: http://www.pgpsi.ip.ufu.br/sites/pgpsi.ip.ufu.br/files/Anexos/Bookpage/DissertacaoDanielGoncalvesCury.pdf. Acesso em 29/01/2020.

FLICK, Uwe. Introdução à Metodologia de Pesquisa: um guia para iniciantes. Tradução de Magda Lopes e Dirceu da Silva. Porto Alegre: Penso, 2013.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da Aprendizagem Escolar: Estudos e Proposições. 22. ed., São Paulo: Cortez, 2011.

MORTIMER, Eduardo Fleury. Linguagem e formação de conceitos no ensino de ciências. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

OLIVEIRA, Maria Cristina Araújo de; RAAD, Marcos Ribeiro. A existência de uma cultura escolar de reprovação no ensino de Cálculo. Boletim GEPEM, Seropédica/RJ, nº 61 – p. 125–137, jul. / dez. 2012. Disponível em: http://www.ufjf.br/mestradoedumat/files/2011/09/Produto-educacional-Marcos-Raad.pdf. Acesso em 18/01/2020.

QUEIROZ, Cecília Alves Pontes de, MOITA, da Silva, F. M. G. Fundamentos Sócio-filosóficos da educação: As tendências pedagógicas e seus pressupostos. Campina Grande; Natal: EPB/UFRN, 2007.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia de Pesquisa. 5. Ed. Porto Alegre, AMGH, 2013.

SCHNETZLER, Roseli Pacheco. Apontamentos sobre a história do ensino de química no Brasil. In: SANTOS, Luiz Pereira dos; MALDANER, Otavio Aloisio (Org.). Ensino de química em foco. Ijuí: Unijuí, 2010.

SILVA, Glauco Peres da. Análise de evasão no ensino superior: uma proposta de diagnóstico de seus determinantes. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 18, n. 2, p. 311-333, jul. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772013000200005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 25/01/2020.

SILVA, Rosenir Rita de Cássia Moreira da; MAINIER, Fernando Benedicto; PASSOS, Fabio Barboza. A Contribuição da disciplina de introdução à engenharia química no diagnóstico da evasão. Ensaio: aval. pol. públ. Educ., Rio de Janeiro, v.14, n.51, p. 261-277, abr./jun. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-40362006000200008&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 25/01/2020.

SPARTA, Mônica; BARDAGI, Marúcia Patta; ANDRADE, Ana Maria Jung de. Exploração vocacional e informação profissional percebida em estudantes carentes. Aletheia, Canoas, v. 22, p. 79-88, 2005. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942005000200008. Acesso em 20/01/2020.

TINTO, Vincent. Leaving college: rethinking the causes and cures of student attrition. 2. ed. Chicago: University of Chicago Press, 1993.

VIÑAO, Antônio. História das disciplinas escolares. Revista Brasileira de História da Educação. Campinas, SP. SBHE/Editora Autores Associados. Jan./jun, no. 18 Set/dez 2008. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/rbhe/article/view/40818/21292. Acesso em 15/01/2020.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamento e Linguagem. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

Publicado

2020-05-01
Métricas
  • Visualizações 1245
  • PDF Sem título Sem título downloads: 35900

Como Citar

MUELLER, E. R.; VANIN, L.; CARDOSO, G. B.; DANTAS, R. M. P. POR QUE A DISCIPLINA DE QUÍMICA GERAL REPROVA TANTO?. Revista Prática Docente, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 449-468, 2020. DOI: 10.23926/RPD.2526-2149.2020.v5.n1.p449-468.id643. Disponível em: http://periodicos.cfs.ifmt.edu.br:443/periodicos/index.php/rpd/article/view/643. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Ciências da natureza e suas tecnologias