LICENCIATURAS EM CIÊNCIAS DA NATUREZA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA (IFRO): O SABER O QUE ENSINAR
PDF

Palavras-chave

Formação inicial em Ciências da Natureza
Ifro
Saber o que ensinar.

Como Citar

DARSIE, M. M. P.; PENHA, M. R. LICENCIATURAS EM CIÊNCIAS DA NATUREZA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA (IFRO): O SABER O QUE ENSINAR. Revista Prática Docente, v. 5, n. 1, p. 249-270, 1 maio 2020.

Resumo

Resumo: Este artigo resulta de uma pesquisa realizada nas licenciaturas em Ciências da Natureza do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia, por meio de análise documental e questionário misto, e integrou parte de uma pesquisa de doutorado, que objetivou compreender os processos de implantação de licenciaturas no IFRO e a formação inicial de professores das referidas licenciaturas. A análise de quatro Projetos Pedagógicos de Cursos, vigentes entre 2010/1 e 2015/2, evidenciou significativa diferença quantitativa de oferta de disciplinas relacionada ao saber o que ensinar e ausência de disciplinas vinculadas a saberes regionais. A pesquisa também demonstrou que 72,7% dos Docentes Formadores afirmaram que as licenciaturas em Ciências Biológicas, Física e Química garantem a aprendizagem do saber o que ensinar; contudo, apontaram a necessidade de mais discussões e ações coletivas. Todos os Professores Egressos declararam que o saber o que ensinar foi assegurado durante seus processos de formação inicial.Palavras-chave: Formação inicial em Ciências da Natureza; IFRO; Saber o que ensinar. Abstract: This article is the result of research carried out in undergraduate courses in Natural Sciences at the Federal Institute of Education, Science and Technology of Rondônia, through document analysis and mixed questionnaire, and it was part of a doctoral research, which aimed to understand the processes implementation of undergraduate courses at IFRO and the initial training of teachers of those undergraduate courses. The analysis of four Pedagogical Course Projects, in force between 2010/1 and 2015/2, showed a significant quantitative difference in the supply of disciplines related to knowing what to teach and the absence of disciplines linked to regional knowledge. The survey also showed that 72.7% of the Teaching Professors stated that the degrees in Biological Sciences, Physics and Chemistry guarantee the learning of the knowledge to teach; however, they pointed out the need for more discussions and collective actions. All graduating professors stated that to know what to teach was ensured during their initial training processes.Keywords: Initial training in Natural Sciences; IFRO; Know what to teach.
https://doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2020.v5.n1.p249-270.id580
PDF

Referências

ANASTASIOU, Léa das Graças Camargo. Propostas curriculares em questão: saberes docentes e trajetórias de formação. In: CUNHA, Maria Isabel da (Org.). Reflexões e Práticas em Pedagogia Universitária. Campinas, SP: Papirus, 2007.

ARANHA, Antônia Vitória Soares; SOUZA, João Valdir Alves de. As licenciaturas na atualidade: nova crise?. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 50, p. 69-86, out./dez. 2013, Editora UFPR. Disponível em: https://bit.ly/2D40vDk. Acesso em: 17 ago. 2018.

BARBOSA, Edson Pereira. Leituras sobre o processo de implantação de uma licenciatura em Ciências Naturais e Matemática por área de conhecimento. 2012. 311 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2012.

BOLZAN, Doris Pires Vargas. Verbetes. In: MOROSINI, Marília Costa. (Org.). Enciclopédia de Pedagogia Universitária. Glossário vol. 2. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2006. Disponível em: https://bit.ly/35v7otB. Acesso em: 11 jun. 2019.

BORGES, Cecília Maria Ferreira. O professor da Educação Básica e seus saberes profissionais. 1. ed. Araraquara: JM, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer n.º 1.304/2001. Diretrizes Nacionais Curriculares para os Cursos de Física. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 07 dez. 2001a, seção 1, p. Disponível em: http://tiny.cc/7z8kgz. Acesso em: 11 jun. 2019.

BRASIL. Lei n.º 9.394/1996, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 1993. Disponível em: https://bit.ly/2OtaozH. Acesso em: 11 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer n.º 1.301/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Ciências Biológicas. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 07 dez. 2001b, seção 1, p. Disponível em: http://tiny.cc/7z8kgz. Acesso em: 11 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer n.º 1.303/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Química. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 07 dez. 2001c, seção 1, p. Disponível em: http://tiny.cc/038kgz. Acesso em: 11 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n.º 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 09 abr. 2002a, seção 1, p. 31. Disponível em: http://tiny.cc/0y8kgz. Acesso em: 11 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE n.º 2, de 1.º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 03 jul. 2015, seção 1, p. 28. Disponível em: http://tiny.cc/wz6kgz. Acesso em: 12 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP n.º 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 04 mar. 2002b, seção 1, p. 9. Disponível em: http://tiny.cc/9z5kgz. Acesso em: 14 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio: Parte III – Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, 2000. Disponível em: http://tiny.cc/9z5kgz. Acesso em: 14 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. PCNEM + Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, 2002c. Disponível em: https://bit.ly/2KGTht7. Acesso em: 14 jun. 2019.

BUCHMANN, Margret. The priority of Knowledge and understanding in teaching. In: KATZ, Lilian; RATHS, Jonas. (Eds.). Advances in Teacher Education (vol. 29-50). Norwood: Ablex. 1984. Disponível em: https://shorturl.at/knoL3. Acesso em: 11 jun. 2019.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. A formação de educadores: uma perspectiva multidimensional. Em aberto. Brasília, 1 (8): 19-21, ago. 1982.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de; GIL-PÉREZ, Daniel. Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

CONTRERAS, José. Autonomia de professores. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

CORÔA, Renata Paixão. Saberes construídos pelos professores de matemática em sua prática docente na educação de jovens e adultos. 2006. 110 fls. Dissertação (Mestrado em Educação e Ciências Matemáticas) – Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2006.

DELIZOICOV, Demétrio; ANGOTTI, José André. Metodologia do Ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 1997.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. As licenciaturas e as novas políticas educacionais para a formação docente. Educação & Sociedade, ano XX, n.º 68, dezembro, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a06v2068.pdf. Acesso em: 13 jun. 2019.

FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade um projeto em parceria. São Paulo: Loyola, 2017.

FELDENS, Maria das Graças Furtado. Educação de professores: tendências, questões e prioridades. Tecnologia Educacional, Rio de Janeiro, 13(61):16-26, nov./dez. 1984.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARCÍA, Carlos Marcelo. Formación del professorado para el cambio educativo. 2. ed. Barcelona: Espanã. Editora EUB. 1995.

GATTI, Bernadete Angelina; NUNES Marina Muniz Rossa. Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: FCC/DPE, 2009. Disponível em: http://tiny.cc/gsllgz. Acesso em: 12 jun. 2019.

GAUTHIER, Clermont et al. Por uma teoria da Pedagogia. Ijuí: Unijuí, 1998.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA. Resolução n.º 5/CONSUP/Ifro, de 12 de março de 2012a. Dispõe sobre o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia – Campus Porto Velho Calama. Disponível em: https://bit.ly/2CTywWO. Acesso em: 13 jun. 2019.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA. Resolução n.º 7/CONSUP/Ifro, de 12 de março de 2012b. Dispõe sobre o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia – Campus Ariquemes. Disponível em: https://bit.ly/2D3DO1S. Acesso em: 13 jun. 2019.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA. Resolução n.º 8/CONSUP/Ifro, de 12 de março de 2012c. Dispõe sobre o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia – Campus Colorado do Oeste. Disponível em: https://bit.ly/35iUzCk. Acesso em: 12 jun. 2019.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA. Resolução n.º 6, de 14 de dezembro de 2009. Dispõe sobre o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Química, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia – Campus Ji-Paraná. Aprovado Ad referendum. Coordenação de Licenciatura. Colorado do Oeste.

JAPIASSÚ, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

JIMÉNEZ, Vicente. Mellado; BRAVO, Teodoro. González. La formación inicial del professorado de ciências. In: PERALES, J.; CANÃL, P. Didáctica del las ciencias experimentales. Alcoy: Marfil, 2000.

KRASILCHIK, Myriam. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: EPU/EDUSP, 1987.

KRASILCHIK, Myriam. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 1, 2000.

MATOS, Gilda. Maria Arantes et al. Recursos didáticos para o ensino de botânica: uma avaliação das produções de estudantes em Universidade Sergipana. HOLOS, Ano 31, v. 5, p. 213-230, 2015. Disponível em: https://bit.ly/34d4qtu. Acesso em: 18 jul. 2018.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti et al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. 2. ed. São Carlos: EDUFSCar, 2010.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti et al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Carlos: EdUFSCAR, 2002.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Tradução: Eloá Jacobina. 21. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

NIZA, Sergio. Entrevista com o Dr. Sergio Niza para a revista Camine: depoimento. 2 vídeos (13’ 55’’) Entrevistadores: Célia David e Ricardo Ribeiro. Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Campus de Franca. 13 ago. 2012. Disponível em: https://bit.ly/2QDdbc1. Acesso em: 14 jun. 2019.

OLIVEIRA, Grassinete Carioca de Albuquerque; TANZI-NETO, Adolfo. Inter, trans, pluri e multi (disciplinaridade): Como esses conceitos contribuem para a sala de aula do professor de língua nacional?. Simpósio Linguagens e Identidades da/na Amazônia Sul-Ocidental. Anais [...]. Universidade Federal do Acre, 2016. Disponível em: http://tiny.cc/limlgz. Acesso em: 15 jun. 2019.

PÉREZ GÓMEZ, Angel. O pensamento prático do professor: A formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, Antonio (Org.). Os professores e a sua formação. 3. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

PIRES, Célia Maria Carolino. Novos desafios para os cursos de Licenciatura em Matemática. Campinas-SP: Mimeo, 1999.

SCHÖN, Donald. The reflective practitioner. New York: Basic Books, 1983.

SELLTIZ, Claire et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: E.P.U., 2007.

SHULMAN, Lee. Those who understand: knowledge growth in teaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, fev. 1986, p. 4-14. Disponível em: http://tiny.cc/wjmlgz. Acesso em: 10 out. 2019.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis (RJ): Vozes, 2003.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Inovações e Projeto Político-Pedagógico: uma relação regulatória ou emancipatória? Cad. Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 267-281, dezembro 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v23n61/a02v2361.pdf. Acesso em: 15 jun. 2019.

ZANON, Lenir Basso et al. Recontextualização pedagógica de contextos/conteúdo de ciências em uma prática interdisciplinar e contextualizada no Ensino Médio. In: GAGLIAZZI, Maria do Carmo et al. (Org.). Aprender em Rede na Educação em Ciências. Ijuí: Unijuí, 2008.

ZEICHNER, Kenneth M. Formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993.

Downloads

Não há dados estatísticos.