FILOGENIA: ABORDAGEM TRIDIMENSIONAL E REPRESENTAÇÕES DOS ALUNOS DA 3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

Rogério Soares Cordeiro, Stefanie Caroline Caldeira de Araújo, Maria Santina de Castro Morini, Moacir Wuo

Resumo


Resumo: A compreensão da biodiversidade como decorrente do processo evolutivo é fundamental para a formação dos educandos. Teve-se como objetivo apresentar uma aula prática complementar à sugerida pelo Currículo do Estado de São Paulo no que tange ao ensino de filogenia, a partir da utilização de manequins confeccionados com materiais reutilizáveis. Utilizou-se como método a aplicação de questionários estruturados aplicados a 30 alunos da 3ª série do Ensino Médio de uma escola pública, antes e depois das aulas práticas. Conclui-se que, quando as aulas são concebidas com materiais táteis e tridimensionais, os alunos apresentam maior grau de envolvimento que no desafio impresso, aguçando a curiosidade e aumentando o grau de envolvimento na construção do saber. Esse envolvimento em aulas práticas denota melhora de resultados em provas modelo ENEM, uma vez que trabalham habilidades básicas. Ainda assim, requerem maior tempo de investimento com relação a conceitos básicos da filogenia.

Palavras-chave: Ensino médio. Aulas práticas. Diversidade biológica. Sistemática filogenética.

 

Abstract: The understanding of the resulting biodiversity of an evolutionary process is fundamental for the learners’ formation. Therefore, this work aims to present an additional practice to the one suggested by the Curricular Proposal of São Paulo when it comes to phylogeny teaching. Besides bringing the elaboration of the hypothetical manikins composed of reusable materials, it also shows the results of structured questionnaires applied to the students in the 3rd grade of a public High School. The research has concluded that when the classes are generated with tactile and tridimensional materials, the students convey a higher degree of engagement than in the challenge when printed, sharpening their curiosity and increasing the engagement in the learning build-up. The engagement during practical classes demonstrates an improvement on the results on tests, such as ENEM due to the basic skills which are explored. Even so, such classes demand longer time of investment regarding the basic principles of phylogeny.

Keywords: High School. Practical classes. Biological diversity. Phylogenetic system.


Palavras-chave


Ensino médio; Aulas práticas; Diversidade biológica; Sistemática filogenética

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, D.S. Fundamentos de sistemática filogenética. Ribeirão Preto: Holos, 2002.

ARAÚJO-DE- ALMEIDA, E; AMORIM, D. S.; SANTOS, R. L.; CHRISTOFFERSEN, M. L. Sistemática Filogenética para o ensino comparado de zoologia. In.: ARAÚJO-DE-ALMEIDA. E. (Org.). Ensino de Zoologia: ensaios didáticos. Editora Universitária: João Pessoa, 2007.

AYRES, M., AYRES, J. R. M., AYRES, D. L.; SANTOS, A. S. BioEstat 5.0: aplicações estatísticas nas áreas de Ciências Biológicas e médicas. Instituto do desenvolvimento Sustentável Mamirauá. IDSM/MCT/CNPq, p.364, 2007.

BIZZO, N. M. V. Ensino de Evolução e História do Darwinismo. 1991. 302 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

BRASIL, Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio, resolução CEB nº. 3 de 26 de junho de 1998a.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEF, p. 138, 1998b.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEB, p. 219, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação – MEC, Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias, v. 2, p. 135, 2008.

CARNEIRO, A. P. N. A evolução biológica aos olhos de professores não-licenciados. 2004. 119 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

CARVALHO, A. N. P. (coord.) Termodinâmica: um ensino por investigação. São Paulo: Feusp, 1999.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, n. 22, p. 89-100, jan., 2003.

DUPRÉ, J. Hidden treasure in the linnean hierarchy. Biology and Philosophy, v. 11, p. 423-433, 2002.

GAYFORD, C. Biodiversity education: a teachers perspective. Environmental Education Research, v. 6, n. 4, p. 347-361, 2000

GUIMARÃES, M. A. Cladogramas e evolução no ensino de Biologia. 2005. 233 f. Dissertação (Mestrado em Educação para Ciência) – Universidade Estadual Paulista – UNESP, Bauru, 2005.

HAZIN, M. C. Os quês e os porquês da Biodiversidade. In: Dia Mundial da Ciência pela Paz e Desenvolvimento, 10 de novembro: biodiversidade; trabalho e desenhos premiados 2010, Brasília: UNESCO, 216 pp, 2010.

HOFSTEIN, A.; LUNETTA, V. N. The role of the laboratory in science teaching: neglect aspects of research, Review of Educational Research, n. 52, p. 201-217, 1982.

IVANISSEVICH, A. Saber fragmentado: um retrato do conhecimento científico de nossos jovens. Ciência Hoje, n. 34, v. 200, p. 26-33, 2003.

JUSTINA, L. A. D.; FERLA, M. R. A utilização de modelos didáticos no ensino de genética – exemplo de representação de compactação do DNA eucarioto. Arquivo Mudi, v. 10, n. 2, p. 35 - 40, 2006.

KRASILCHIK, M. Prática de Ensino de Biologia. São Paulo: Edusp, 4ª edição, 200 pp., 2008.

LÉVÊQUE, C. A biodiversidade. Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração, 1999.

LIMA, D. B; GARCIA, R. N. Uma investigação sobre a importância das aulas práticas de Biologia no Ensino Médio. Cadernos de Aplicação, Porto Alegre, v. 24, n. 1, p. 201-224, 2011. Disponível em:. Acessado em: 12/07/2018.

LOPES, W. R.. Ensino de filogenia animal: percepções de estudantes e professores e análise de propostas metodológicas. 2008. 140 f. Dissertação (Mestrado Departamento de Zoologia) - Universidade Federal de Pernambuco, PE, 2008.

MAYR, E. Isto é biologia: a ciência do mundo vivo. Tradução: Claudio Angelo, São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

MATIOLI, S. R. Biologia molecular e evolução. Ribeirão Preto: Holos, 2001.

MOORE, J. A. Evolution and Public Education. Bioscience, n 32, v. 7, p. 606-611, 1982.

PENICK, J. E. Ensinado alfabetização científica. Educar, v.1, n. 14, p. 91-113, 1998.

PRIMACK, R. B. Essentials of conservation biology. Massachusetts: Sinauer Associates Inc., 1993.

RODRIGUES, M. E; JUSTINA, L. A. D.; MEGLIORATTI, F. A. O conteúdo de sistemática filogenética em livros didáticos do ensino médio. Rev. Ensaio, Belo Horizonte, v. 13, n. 02, p. 65-84, 2011. Disponível em: . Acessado em 06/07/2018.

ROQUE, I.R. Girafas, mariposas e anacronismos didáticos. Ciência Hoje, v. 34, p. 64-67, 2003.

SANTOS, C. M. D.; CALOR, A. R. Ensino de biologia evolutiva utilizando a estrutura conceitual da sistemática filogenética – I. Ciência & Ensino: v.: 2, n. 1, 2007a.

SANTOS, C. M. D.; CALOR, A. R. - II. Ciência & Ensino: v.: 1, n. 2, 2007b.

SÃO PAULO. Material de Apoio ao Currículo do Estado de São Paulo, Caderno do Professor: Biologia – Ensino Médio, 2014.

SARKAR, S. Biodiversity and Environmental Philosophy: An Introduction. Cambridge Studies in Philosophy and Biology, New York: Cambridge University Press, 2005.

SCHUCH, L. M. M.; SOARES, M. B. Oficina de classificação: de Pokemons e infoartrópodos à sistemática filogenética. Cadernos de Aplicação, Porto Alegre, v. 16, n. 1,p. 9-18, 2003.

SCHWARTZMAN, S.; CHRISTOPHE, M. A educação em ciências no Brasil, 2009. Disponível: . Acesso em: 25 de setembro de 2015.

SILVA, M. L. O uso de materiais de baixo custo para experimentação nas aulas de densidade e pressão hidrostática. Revista Prática Docente, Instituto Federal de Mato Grosso, v. 2, n. 1, p. 62-70, 2017. Disponível em: . Acessado em 23/09/2017.

WILSON, E. O. Biodiversidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

WUO, M., OLIVEIRA, R.L.B.C.; NUNES, L.R.; MIRANDA, V.F.O.; MORINI, M.S.C.; MUNHAE, C.B.; CINTRA, L.A.R.O; ARGENTINO, R.J; OLIVEIRA, M.R. Biodiversidade na Serra do Itapeti: pesquisa para o ensino. p. 305-323. In: Morini, M.S.C, Miranda, V.F.O (Org.). Serra do Itapeti: aspectos históricos, sociais e naturalísticos. Editora Canal6, Bauru, São Paulo, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2018.v3.n2.p519-538.id232

Apontamentos

  • Não há apontamentos.