A FICÇÃO AFRICANA CONTEMPORÂNEA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A ESTÉTICA DA NARRATIVA

Adilson Vagner de Oliveira, Eduarda da Rosa Zanella, Luana Gabriely de Almeida Campos, Mariana Falcão Heemann

Resumo


Resumo: Este trabalho promove algumas considerações estruturais e temáticas sobre a ficção africana contemporânea. A partir da abordagem comparada, foram analisadas três obras literárias representativas do continente: Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra (2003) de Mia Couto, Hibisco Roxo (2011) de Chimamanda Adichie e Lueji: o nascimento de um império (2015) de Pepetela. As análises apontam para algumas questões extremamente importantes para se compreender as literaturas africanas, tais como os conflitos entre a modernidade e a tradição, o papel da mulher diante da religiosidade e o patriarcado e por fim, a releitura da história nacional como mecanismo de construção de identidades.

Palavras-chave: Literaturas africanas. Ficção contemporânea. Romance.

 

Abstract: This paper presents some structural and thematic considerations on contemporary African fiction. From the comparative perspective, we analyzed three representative literary works from the continent: A river called time (2003) by Mia Couto, Purple Hibiscus (2011) by Chimamanda Adichie and Lueji: o nascimento de um império (2015) by Pepetela. The analysis demonstrates some issues really important to understand the African literatures, such as the conflicts between modernity and tradition, the role of women in face of religiosity and patriarchy, and finally, the reinterpretation of national history as a mechanism of building identities.

Keywords: African literatures. Contemporary fiction. Novel.


Palavras-chave


Literaturas africanas; Ficção contemporânea; Romance

Texto completo:

PDF

Referências


ADICHIE, Chimamanda N. Hibisco Roxo. 2ªed. São Paulo: companhia das Letras, 2011.

ANN, Ibeku I. Adichie’s Purple Hibiscus and the Issue of Feminism in African Novel. Journal of Literature and Art Studies, Vol. 5, No. 6, 426-437, June- 2015.

ANTÓNIO, Mateus P. P. Romance e realidade em Lueji, o nascimento de um império, de Pepetela. Cadernos CESPUC, Belo Horizonte, nº 27, 2015.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de literatura e de estética. São Paulo: Hucitec, 2010.

BERGSON, Henri. Memória e vida. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade: Estudos de Teoria e História Literária. 11ed. – Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2000

CAMPOS, Juliana S. As manipulações das etnicidades como forma de controle, exploração e alienação em Hibisco Roxo de Chimamanda Ngozi Adichie. Revista Crioula USP, No. 16 Dezembro de 2015.

CARVALHAL, Tania F. Literatura comparada. São Paulo: Ática, 2006.

CHAVES, Rita. Angola e Moçambique: experiência colonial e territórios literários. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2005.

CHAVES, Rita A formação do romance angolano. São Paulo: Lato Senso, 1999.

CHAVES, Rita; MACÊDO, Tania (Org.) Portanto...Pepetela. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009.

COSTA LIMA, Luiz. História, ficção, literatura. 2ªed. São Paulo: Companhia das Letras: 2006.

DIAS, Mariana S. Pepetela e a (re)escrita de Angola: tensionamentos entre memória coletiva e discurso historiográfico em Yaka e Lueji – o nascimento de um império. Revista de Literatura, História e Memória VOL. 11 - Nº 18, 2015.

DRNDARSKA, Dea; MALANDA, Ange-Séverin. Pepetela et l’écriture du mythe et de l’histoire. Paris: L’Harmattan, 2000.

FIORIN, José L. Linguagem e ideologia. 7ed. – São Paulo: Editora Ática, 2003

FISCHER, Ernst. A necessidade da arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

GOMES, Júnio V. Hibisco Roxo. Revista Trilhas da História. Três Lagoas, v.3, nº5 jul-dez, 2013.

HILDEBRANDO, Antonio. A revolta da casa dos ídolos: renovação e tradição. In: CHAVES, Rita e MACÊDO, Tania (Org.) Portanto... Pepetela. São Paulo: Ateliê Editorial, 2009

IFECHELOBI, J.N. Feminism: Silence and Voicelessness as Tools of Patriarchy in Chimamanda Adichie’s Purple Hibiscus. International Association of African Researchers and Reviewers, VOL. 35, SEPTEMBER, 2014.

KUNDERA, Milan. A arte do romance. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988.

LEITE, Ana M. Literaturas africanas e formulações pós-coloniais. Lisboa: Colibri, 2003.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance. São Paulo: Duas cidades, 2000.

MAQUÊA, Vera. A escrita nômade do presente: literaturas de língua portuguesa. São Paulo: Arte & Ciência, 2010.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Trad. Eloá Jacobina. 8 ed. - Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Trad. Catarina E. F. da Silva e Jeanne Sawaya. 2 ed. – São Paulo: Corteza, 2000.

MORIN, Edgar. O cinema ou o homem imaginário. Trad. António-Pedro Vasconcelos. Lisboa: Moraes Editores, 1970

MÜLLER, F.O. O florescer das vozes na tradução de purple hibiscus,de Chimamanda Ngozi Adichie. Tese (Mestrado em estudo da tradução) - Faculdade de Letras, Universidade de Brasília, p. 26. 2017.

OLIVEIRA, Adilson V. O teatro político angolano em A revolta da casa dos ídolos, de Pepetela. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) PPGEL, Universidade do Estado de Mato Grosso, 2013a.

OLIVEIRA, Adilson V. Literatura e história: estudo sobre A revolta da Casa dos Ídolos e Bom dia, camaradas. Revista Athena. Vol. 04, nº1, 2013b.

OLIVEIRA, Adilson V. Teoria do romance moderno em “A insustentável leveza do ser” de Milan Kundera. Revista Athena. Vol. 7 nº2, 2014a.

OLIVEIRA, Adilson V. Literatura e política: as contradições do socialismo em “O planalto e a estepe”. Revista Ecos vol. 16, Ano XI; nº 01, 2014b.

PETROV, Vanessa P. A problemática da identidade cultural em Um Rio chamado Tempo, Uma Casa chamada Terra, de Mia Couto, e Le Ventre de l’Atlantique, de Fatou Diome. Lisboa: CLEPUL, 2014.

PONTES, Daniele S. A morte e a ancestralidade: em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. Monografia (Graduação em Letras). Centro de Humanidade. Universidade Estadual da Paraíba, Guarabira, 2014.

RAMOS, Dernival V. ; MELO, Márcio A. Nação e narrativa em Pepetela. Revista Locus, Juiz de Fora, v.17, nº1, p.173-188, 2011.

REUTER, Yves. Introdução à análise do romance. 2ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SANTOS, Donizeth. Lueji, o nascimento dum império: um romance alegórico e político. Revista Mulemba. Rio de Janeiro: UFRJ, V.1, n. 11, pp. 35- 45, jul./dez. 2014

WATT, Ian. A ascensão do romance. São Paulo: Companhia das letras, 2010.




DOI: http://dx.doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2018.v3.n2.p418-436.id203

Apontamentos

  • Não há apontamentos.