EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DE DUAS ESCOLAS EM CUIABÁ
PDF
.

Métricas

  • Visualizações 459
  • PDF downloads: 59

Palavras-chave

Políticas Públicas. Oportunidades. Educação de Jovens e Adultos.

Como Citar

BILIO, M. G. P.; OLIVEIRA, N. M. de; CAMPOS, M. das G.; GOMES, E. C. EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DE DUAS ESCOLAS EM CUIABÁ. Revista Prática Docente, [S. l.], v. 4, n. 2, p. 834-851, 2019. DOI: 10.23926/RPD.2526-2149.2019.v4.n2.p834-851.id538. Disponível em: http://periodicos.cfs.ifmt.edu.br/periodicos/index.php/rpd/article/view/538. Acesso em: 17 abr. 2021.

Resumo

Este artigo faz parte de uma pesquisa maior desenvolvida pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino da UNIC– Universidade de Cuiabá em parceria com o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso-IFMT. A pesquisa de qualitativa tem por objetivo analisar a maneira pela qual se dá a abordagem curricular dessa modalidade de ensino, procurando evidenciar a percepção discente acerca dos quesitos estruturais relativos à esfera educacional pertinente ao currículo que perpassa o processo formativo dos alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) em duas escolas públicas do município de Cuiabá. Elegemos como metodologia o uso de fontes documentais e bibliográficas, sendo que a coleta de dados foi realizada via aplicação de questionário sócio econômico aos alunos das escolas lócus da pesquisa, utilizando como técnica de investigação o grupo focal. Como resultado foi possível compreender a atual intenção formativa da EJA nas escolas em foco, para repensar as dimensões teóricas e práticas no que se refere ao currículo desenvolvido na EJA nas escolas da pesquisa. Constatamos que, ao longo do tempo, a modalidade de ensino em tela tem sido desvalorizada, uma vez que as políticas públicas direcionadas para a mesma não apresentam preocupação no que se refere às suas especificidades, pois os atores sociais que as compõem são indivíduos que não tiveram a oportunidade de concluir seus estudos em idade regular, que deve ser levado em consideração no seu processo formativo, ainda que tardio.
10.23926/RPD.2526-2149.2019.v4.n2.p834-851.id538
PDF

Referências

APPLE, Michael. Ideologia e currículo. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2006

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação. 2. ed. São Paulo: Moderna.

ARROYO, Miguel G. “Os educadores, seus direitos e o currículo”. In: MOREIRA, Antonio Flávio e ARROYO, Miguel. Indagações sobre o currículo. Brasília: Departamento de Política de Educação Infantil e Ensino Fundamental, nov. 2006.

BELLO, José Luiz de Paiva. Movimento Brasileiro de Alfabetização – MOBRAL. História da Educação no Brasil. Período do Regime militar. Pedagogia em foco, Vitória 1993, Disponível em < http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/heb10a.html>. Acesso em: 03 de julho de 2019.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação Qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Ed., Coleção Ciências da Educação, 1994.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. – LDB. Lei Nº 9394/96. Brasília, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa de Integração da Educação Profissional ao Ensino Médio na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – Proeja: Documento Base. Brasília-DF: MEC, fev. de 2006.

BRASIL. Constituição Federal BRASIL. Programa Brasil Profissionalizado. Brasília. 2007. Disponível em:http://portal.mec.gov.br/index2. php?option=com_content&view=article&id=12325&Item id=663 Acesso em 15/07/19.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005, 42. ed.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. História da educação brasileira/Paulo Ghiraldelli JR. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006. Brasília, 1998.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia Científica. 26. ed., São Paulo: Atlas, 1991.

MARX, Karl.; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. Tradutor Luis Cláudio de Castro e Costa. Martins Fontes: São Paulo, 2002.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986.

MACHADO, Lucília Regina de Souza. Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, Brasília, v. 1, nº 1, 2008.

MCLAREN, Peter. Multiculturalismo crítico. São Paulo: Cortez, 1999.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/ Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-013-pdf/file Acesso em 15-07-2019.

MOREIRA, Antonio Flávio Barbosa; SILVA, Tomaz Tadeu. (Org.). Currículo, cultura e sociedade. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa Moreira; CANDAU, Vera Maria (Orgs.). Indagações sobre currículo: currículo, conhecimento e cultura. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Brasília, 2007

MORGAN, D.L; KRUEGER, R. A. Quando usar grupos de foco e por quê. Em: Grupos de foco bem sucedidos: avançando o estado da arte. [s.l.] Sage Focus Editions, 1993.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA. Educ. rev. [online]. n.29, p.83-100,2007.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Organização curricular e práticas pedagógicas na EJA: algumas reflexões. In: PAIVA, Jane; OLIVEIRA, Inês Barbosa de. (Orgs.) Educação de jovens e Adultos, Petrópolis: DP et Alii, 2009.

OLIVEIRA, Claudimercia Lima de. Descortinando a EJA e suas práticas educacionais: o papel da educação de jovens e adultos no Brasil como modalidade diferenciada de ensino e emancipação dos sujeitos. Bahia. 2015.

PAIVA, Vanilda Pereira. Educação popular e educação de adultos. 5. ed. São Paulo: Loyola, 1987.

Downloads

Não há dados estatísticos.